Novo diretor quer acentuar impacto acadêmico da EEL

Em 9 de maio, Renato de Figueiredo Jardim tomou posse como diretor da Escola de Engenharia de Lorena (EEL)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

No dia 9 de maio, o professor Renato de Figueiredo Jardim tomou posse como novo diretor da Escola de Engenharia de Lorena (EEL). A cerimônia foi realizada na casa da Cultura de Lorena, localizada no centro da cidade. Jardim é o terceiro diretor da Unidade, que foi incorporada pela USP em maio de 2006.

(Da esq. p/dir.) O prefeito de Lorena, Fábio Marcondes; o vice-reitor da USP, Vahan Agopyan; o secretário-geral, Ignácio Maria Poveda Velasco (em pé); e o novo diretor da EEL, Renato de Figueiredo Jardim

A abertura do evento contou com a apresentação do Quinteto de Sopro da Orquestra Sinfônica da USP (Osusp), que executou obras de Joseph Haydn e Claude Debussy.

Após a leitura e assinatura do termo de posse, o novo diretor lembrou aos convidados que a gênese do campus de Lorena remonta há 48 anos, apesar de a Unidade figurar entre as “caçulas” da USP. Segundo ele, desde sua anexação à Universidade, a EEL vem imprimindo impactos positivos na região do Vale do Paraíba, de maneira similar ao que acontece no entorno dos outros campi da Universidade.

Em seu discurso, Jardim destacou que deve haver empenho na criação e na manutenção de condições que permitam a cada membro da Escola experimentar “uma jornada acadêmica inigualável e que seja intelectual, social e pessoalmente transformadora para os professores, servidores e estudantes”.

“Devemos visualizar que a Escola de Engenharia de Lorena do século XXI exige que sejamos solidários, dinâmicos e inovadores, ainda que tenhamos responsabilidade para implementação de um projeto institucional acadêmico em sinergia com a sociedade. Espero poder materializar as diretrizes traçadas para os próximos anos, além de preparar aquelas que se destinam a construir o futuro desta Escola e colocá-la em patamares acadêmicos que possam refletir diretamente no desenvolvimento social e humano do nosso país”, considerou.

Escola extraordinária

Jardim destacou a importância da Escola para a região do Vale do Paraíba

Em seguida, o vice-reitor da Universidade, Vahan Agopyan, ressaltou a importância da EEL como uma das melhores escolas de engenharia do Brasil. “O Conselho Universitário escolheu a então Faenquil para ser uma das nossas Unidades porque esta faculdade de engenharia nasceu da forma mais ideal possível. Começou com dois centros de pesquisa de renome muito importantes para o país e sempre se apresentou como uma escola de engenharia extraordinária”, afirmou.

Agopyan ressaltou, ainda, que o país está passando por uma forte crise político-financeira. “É óbvio que isso se reflete na Universidade e que a sociedade toda está pagando por isso, mas não é porque temos essa dificuldade que vamos nos calar, cruzar os braços e esperar tempos melhores. Não alimento esperança de tempos fáceis e sei que o nosso país vai passar ainda por grandes dificuldades. Mas temos que fazer os tempos melhores da EEL e da USP”, disse.

Também participaram da cerimônia o prefeito de Lorena, Fábio Marcondes; o secretário-geral da USP, Ignácio Maria Poveda Velasco; o pró-reitor de Graduação, Antonio Carlos Hernandes; o pró-reitor de Pós-Graduação, Carlos Gilberto Carlotti Junior; o chefe de Gabinete da Reitoria, Thiago Rodrigues Liporaci; o superintendente de Prevenção e Proteção Universitária e diretor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ), José Antonio Visintin; o vice-diretor da EEL e prefeito do Campus USP de Lorena, Carlos Alberto Moreira dos Santos, entre outras autoridades da USP e da cidade.

Os laboratórios foram desenvolvidos pelos professores da EEL, Carlos José Todero Peixoto e Carlos Renato Menegatti, em parceria com o IFSC

Novos laboratórios didáticos

Antes da cerimônia de posse do novo diretor, foram inaugurados os novos Laboratórios Didáticos de Física Básica da EEL.

Os laboratórios foram desenvolvidos pelos professores da EEL, Carlos José Todero Peixoto e Carlos Renato Menegatti, em parceria com o Instituto de Física de São Carlos (IFSC), onde foram criados os kits didáticos que compõem os espaços.

Para o vice-reitor Vahan Agopyan, a parceria entre a EEL e o IFSC representa uma solução criativa e econômica para manter a qualidade das atividades didáticas da Universidade.

(Simone Colombo, especial para a Sala de Imprensa / Fotos: Marcos Santos – USP Imagens)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados