Governo de SP transfere imóveis da Rua Maria Antonia para a USP

A USP também recebeu um novo imóvel, na Rua Dr. Vila Nova, que será integrado ao Ceuma

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Fachada do prédio do Centro Universitário Maria Antonia – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

A USP passou a ter propriedade definitiva de dois prédios localizados na Rua Maria Antonia, na Vila Buarque, em São Paulo, além de receber um novo imóvel, na Rua Dr. Vila Nova. Os edifícios históricos pertenciam à Fazenda do Estado.

No local estão sediados dois órgãos da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP: o Centro Universitário Maria Antonia (Ceuma), que oferece espaços de exposição, auditório, salas de aulas e oficinas de arte, e o Teatro da Universidade de São Paulo, o TUSP, que, desde 1996, ocupa o subsolo e o piso térreo.

O edifício da Rua Dr. Vila Nova, que foi sede da então Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas – hoje, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP -, de 1946 a 1970, deverá ser integrado ao Ceuma. Atualmente, o prédio abriga a Fundação Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel (Funap), ligada ao governo do Estado.

Em permuta, a USP cedeu à Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp) três áreas que havia recebido por herança vacante. Duas áreas estão localizadas nos municípios de Riversul e Itaporanga, na região Sudoeste paulista, e serão destinadas à implantação de assentamentos de trabalhadores rurais. A terceira está no município de Tanabi, na região Noroeste do Estado e é ocupada por um bairro urbanizado. Ela será regularizada para que as famílias tenham documentos definitivos de propriedade.

O acordo foi assinado pelo governador Geraldo Alckmin, em uma cerimônia realizada no dia 14 de fevereiro, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

Durante o evento, o governador destacou a importância da destinação adequada para as áreas. “Esse foi o primeiro passo do projeto, que será estendido. É preciso dar um bom destino às áreas e não deixar os espaços desocupados. É preciso que os equipamentos prestem um serviço à comunidade. Os prédios do Centro vão servir à Universidade de São Paulo e as áreas rurais vão servir ao Estado”, explicou Alckmin.

O reitor da USP, Vahan Agopyan, ressaltou que “este é um momento muito simbólico. Os criadores da Universidade a construíram como modelo sólido e fizeram questão de criar a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, em que as ciências básicas foram estudadas de maneira bastante séria pela primeira vez no País. Essa nova faculdade tinha a função de ser o amálgama das unidades já existentes e a USP tem nela a sua orientação científica. A Rua Maria Antonia foi a casa dessa nova faculdade por quase vinte anos [de 1949 a 1968] e posso dizer que, hoje, a USP está retornando às suas origens”.

O governador Geraldo Alckmin assinou autorização para permuta de imóveis entre a Fazenda do Estado e a USP – Foto: Alexandre Carvalho/Máquina CW via Governo do Estado de São Paulo

Além do reitor da USP e de dirigentes da Universidade, estiveram presentes à cerimônia o vice-governador e secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, Márcio França; o secretário de Estado da Justiça e Defesa da Cidadania, Márcio Elias Rosa; o secretário de Estado da Administração Penitenciária, Lourival Gomes; e o diretor da Fundação Itesp, Gabriel Veiga.

Confira declaração do reitor Vahan Agopyan concedida ao Portal do Governo do Estado:

 

História

O conjunto de edifícios que compõem o Centro Universitário Maria Antonia (Rui Barbosa e Joaquim Nabuco) foi construído originalmente na década de 1930 para abrigar o Liceu Nacional Rio Branco. A escola funcionava em sistema de internato com laboratórios, biblioteca, quadra de esporte, piscina e auditório, além de dependências especiais, como dormitórios e refeitório.

A partir de 1949, o local passou a ser ocupado pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), quando a Reitoria da USP adquiriu os prédios para a instalação da sede da faculdade, que já havia passado por outros pontos da cidade: Alameda Glete, Av. Brigadeiro Luiz Antônio e Praça da República.

A faculdade passou a ser conhecida como a Maria Antonia devido à identificação, feita pelo movimento estudantil, com a nova localização. Nessa época, o bairro de Vila Buarque acolhia a Faculdade de Arquitetura e a Faculdade de Economia, ambas da USP, além da Universidade Presbiteriana Mackenzie, da Escola de Sociologia e Política e da Fundação Armando Álvares Penteado, o que tornava o centro da cidade em um campus universitário e o edifício da FFCL, no epicentro da movimentação política e cultural.

Confronto que ficou conhecido como Batalha da Maria Antonia, ocorrido em outubro de 1968, em São Paulo – Foto: Exposição Marcas – Imagens de São Paulo / Acervo Arquivo Público do Estado de São Paulo via IEA

Como sede do movimento estudantil, o conjunto de edifícios foi palco da luta pela democracia no País, diante da ditadura militar instaurada em 1964. Nesse contexto, em outubro de 1968, uma batalha campal envolveu estudantes de posições ideológicas opostas e a polícia. O episódio foi um confronto envolvendo estudantes da USP contra integrantes do CCC (Comando de Caça aos Comunistas) infiltrados na Universidade Mackenzie.

A batalha ocorrida entre os dias 2 e 3 de outubro culminou na morte do estudante secundarista José Guimarães, de 20 anos, vítima de um tiro disparado das dependências do Mackenzie, atribuído a um membro do CCC, e na depredação do prédio da Faculdade de Filosofia.

Como consequência, houve a invasão do prédio pela Polícia Militar e seu fechamento. Os cursos da USP foram transferidos para a Cidade Universitária, localizada no Butantã, zona oeste de São Paulo.

Em 1985, o edifício Rui Barbosa foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat).

Em dezembro de 1991, o governador do Estado de São Paulo, Luiz Antônio Fleury Filho, juntamente com o reitor Roberto Leal Lobo e Silva Filho, oficializou o início da devolução dos edifícios à USP, que havia sido retirada do local após os eventos ocorridos em 1968.

Em 27 de maio de 1993, no edifício Rui Barbosa, foi instalado o Centro Universitário Maria Antonia e, em 1998, o edifício Joaquim Nabuco também foi reintegrado à USP.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados