Brasil está no fim da fila quando o assunto é inovação

Confira a série de reportagens feitas pela Rádio USP falando sobre as pesquisas em inovação

Por - Editorias: Especiais

Arte sobre fotos /USP Imagens  .

..

.

Inovar é criar um produto ou um processo que seja novo para o mercado ou para a empresa, utilizando nova tecnologia. A inovação é um poderoso aliado para as empresas conseguirem maior competitividade tanto no mercado nacional como no internacional.

O Brasil ocupa baixas posições quando o assunto é inovação. De acordo com uma lista divulgada pela Forbes, das 2 mil maiores empresas do mundo, apenas 1% é brasileira.

A Rádio USP fez uma série de reportagens falando das pesquisas em inovação que são desenvolvidas na Universidade de São Paulo, e quais os motivos para nossas empresas estarem no fim da fila. 

 

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Agricultura 4.0 traz inovação ao campo

23.03.2018
Nos últimos cinco anos, o agronegócio tem utilizado cada vez menos mão de obra, sobretudo a informal. Isso se deve à incorporação de novas tecnologias no campo, mais intensivas e que ampliaram a produtividade. Sérgio Marcus Barbosa, engenheiro agrônomo, gerente executivo da ESALQTec, a Incubadora Tecnológica da USP, falou sobre os avanços que a tecnologia está levando à agricultura.

O Brasil sempre aplicou tecnologia a esta área, mas, com um uso intensivo nos últimos três anos, a agricultura atual vem sendo chamada de “agricultura 4.0”. O engenheiro destaca a conectividade que agora existe no campo e envolve mecanismos como a robótica, o uso de drones e de veículos autônomos.

Barbosa lista algumas das várias vantagens com o uso de tecnologia. Existe agora uma maior qualificação no campo, além de maior produtividade, com menor dano às plantações. O uso de drones, por exemplo, possibilita monitorar pragas, a deficiência hídrica e falhas no plantio, tudo isso sem uma passagem de equipamentos pesados pelas culturas, além do baixo custo do instrumento. A tecnologia permite ainda saber, de acordo com as previsões climáticas, qual a quantidade de produção esperada.

 

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Inovar e empreender devem ser constantes, diz diretor da Fapesp

23/03/2018
A inovação e o empreendedorismo devem ser práticas constantes nas universidades para melhorar a posição do Brasil no ranking dos países mais inovadores do mundo.

Para Carlos Américo Pacheco, diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), eventos como o sétimo Seminário Sobre Rotas Tecnológicas são importantes para identificar os caminhos que a inovação deve seguir.

Além disso, Pacheco conta que a Fapesp apoia a inovação tecnológica desde 1995,  com o programa Parceria para a Inovação Tecnológica (Pite). “Está crescendo a demanda e a qualidade dos projetos já existentes.”



////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Relação do Brasil com a inovação é tema de evento na FEA

21/03/2018
“Todo ecossistema de inovação maduro no planeta tem as universidades como atores-chave.” A opinião é do professor Moacir de Miranda Oliveira Júnior, chefe do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP e coordenador do Science Meets Business. Pensando em ampliar as discussões sobre a relação do Brasil e suas universidades com a inovação e a geração de tecnologia, nos dias 22 e 23 de março a FEA sediará o SciBiz.

Segundo o professor, o momento atual vivido pelo mundo é de “economia do conhecimento”. A geração de riqueza e o desenvolvimento de um país se relacionam intimamente com sua capacidade de gerar tecnologias. Para Oliveira Júnior, o Brasil tem mostrado avanços nesse sentido, mas ainda apresenta baixos investimentos em inovação. O evento se põe, então, como uma das formas de ampliar o debate, visando à colocação do País na rota dessa tendência mundial.

Ainda segundo o coordenador do SciBiz, é preciso acabar com o “preconceito” contra as relações entre universidades e empresas privadas. Essas associações se dão com investimento e fomento à inovação e servem à sociedade, avalia Oliveira Júnior. O evento pretende atuar nesse sentido, mostrando que esse vínculo representa um círculo virtuoso. Informações sobre a programação, os palestrantes e as inscrições podem ser encontradas no site do evento.

 

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Brasil está entre os países menos inovadores do mundo

15/03/2018
O setor privado investe pouco em pesquisas de inovação e, quando investe, os projetos contam com recursos do Estado. O dado foi constatado através de pesquisa encomendada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) ao Massachusetts Institute of Technology (MIT), renomada universidade de pesquisa norte-americana. O professor Paulo Feldmann, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, falou sobre as razões desse baixo investimento.

Segundo o economista, existem dois principais motivos para que o Brasil ocupe posições tão baixas quando o assunto é inovação. O primeiro é a quantidade pequena de grandes empresas que existem no País. Em uma lista recente divulgada pela Forbes, das 2 mil maiores empresas do mundo, apenas 1% é brasileira. A outra razão, ainda mais importante, é a falta de incentivos fiscais para que se desenvolvam pesquisas. No Brasil, não existe a cultura de dedução de impostos para as empresas que investem em pesquisas.

Um dos caminhos apontados no relatório divulgado pelo MIT foi o de que o Brasil crie uma agenda que estimule o crescimento no ramo da inovação. O professor Paulo Feldmann ressalta que faltam políticas públicas nessa área. É necessário fomentar a união de empresas, incentivando a criação de incubadoras. O especialista aponta, ainda, que a formação de engenheiros no País precisa aumentar. É uma profissão essencial para inovação e, mesmo com boas escolas, o número de formandos na área é muito baixo.


////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

USP incentiva inovação através de kits educativos

13.03.2018
Uma parceria entre a Agência USP de Inovação e a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Científico e Tecnológico e de Agricultura, Pecuária e Irrigação de Goiás busca promover ações de inovação e empreendedorismo no Estado através de kits de inovação. O professor Vanderlei Salvador Bagnato, diretor do Instituto de Física em São Carlos, explicou a iniciativa.

O cientista conta que o governo do estado goiano entrou em contato com a USP,  buscando trazer o conceito de “inovação” desde a educação básica para seus alunos. Na opinião do professor, hoje é possível motivar os jovens para que sejam empreendedores, mas é necessário ter uma base científica e tecnológica para isso, que é o que busca ser feito com os kits de inovação e empreendedorismo: fornecer uma bagagem científica aos estudantes, o que pode não acontecer durante todo o ensino médio.

Na primeira fase do projeto, foram distribuídas centenas de kits nas escolas técnicas de Goiás, as ITEGOS. Agora, na segunda fase, a intenção é mostrar os benefícios que o desenvolvimento científico pode trazer e o impacto da ciência no dia a dia. O professor Vanderlei ressalta que a intenção é que a iniciativa chegue a Estados próximos daquela região, como Tocantins e Bahia.

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Crescimento do País passa pelo investimento em inovação

08/03/2018
Estabelecer parcerias entre instituições de ciência e tecnologia e empresas é fundamental para desenvolver a inovação no Brasil, principalmente no setor de biotecnologia, que cresce a uma taxa anual média de 12,3% ao ano. Para falar sobre esse tema, o USP Analisa desta semana recebe a professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (Fearp) da USP, Geciane Porto (foto).

Ela explica que o Sistema Nacional de Inovação é composto de três partes: grupos de pesquisa que desenvolvam aplicações para a ciência de ponta; empresas dispostas a investir em pesquisa e desenvolvimento; e o governo, por meio da criação de um marco regulatório que permita a cooperação entre elas. Porém, ainda existem entraves. “Embora tenhamos a lei de inovação de 2004 e a atualização do marco legal em 2016, há instituições cujas normas internas ainda não são suficientemente claras ou incentivadoras do processo de desenvolvimento tecnológico em conjunto, ou seja, a cooperação entre seus grupos de pesquisa e empresas”, explica Geciane.

A docente ressalta a importância do investimento em inovação para o crescimento econômico do País. “No momento em que o país deixa de gerar essa inovação, ele vai perdendo competitividade. Se ele perde competitividade, as empresas vão se tornando mais fracas e você gera uma espiral descendente que vai incentivando cada vez mais um cenário negativo”, diz ela.



////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

 

.
.
.
Arte: Thais H. Santos/Jornal da USP

 

A.

Textos relacionados