Semana de Música Antiga traz concertos com instrumentos históricos

De 11 a 14 de setembro, obras do século 17 e 18 serão executadas na Biblioteca Brasiliana da USP

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn192Print this pageEmail
O corno di bassetto: raro atualmente, instrumento rivalizou com o violino no século 16  – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

De 11 a 14 de setembro, a sala Villa-Lobos da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP fará uma viagem no tempo. Cravos, cornos di basetto, sacabuxas, fagotes e outros instrumentos musicais do passado serão os protagonistas da Semana de Música Antiga, que acontece em conjunto com o 8º Encontro de Pesquisadores em Poética Musical dos Séculos 16, 17 e 18.

Com o tema Palavra e Música, a programação trará concertos, palestras e masterclasses, reunindo convidados internacionais e pesquisadores de todo o País. O destaque são as apresentações musicais. Estão programadas quatro, gratuitas e abertas ao público, sempre ao meio-dia.

“Música antiga é um movimento que ganhou muita força a partir dos anos 50 e 60, quando as pessoas resolveram retomar o repertório antigo experimentando como funcionaria tocá-lo com instrumentos antigos, fazendo um trabalho de arqueologia”, explica a professora Monica Lucas, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, idealizadora do evento.

Manuscrito do Requiem, com a caligrafia de Mozart (mais escura) e a de Süssmayr, seu aluno (mais clara) – Foto: Divulgação

“Você pega o instrumento antigo”, continua a pesquisadora, “lê como se tocava e tenta aplicar esse conhecimento às partituras que você tem do período, tenta encontrar uma interpretação que seja mais próxima.”

Segundo Monica, o início do movimento foi marcado pela cisão com a música do século 19 e um olhar para o período compreendido entre a Idade Média e a Revolução Francesa. Atualmente, essa visão é mais abrangente e tem a ver com a busca de informações documentais e execução de um repertório de acordo com seu contexto original. “Virou uma maneira de pensar”, reflete Monica. “O movimento de música antiga, hoje, é uma maneira de pensar o estilo musical.”

O primeiro concerto da programação, no dia 11, é do Conjunto de Música Antiga da USP, que executa o Requiem (K. 626), obra mais importante de Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791). Envolta em lendas, a peça é a última e inacabada obra do compositor austríaco. Segundo estudos, foi encomendada de maneira anônima por um colega de maçonaria e compositor amador, o Conde Walsegg, que acabara de perder a esposa. Depois da morte do compositor, o Requiem foi finalizado por um de seus alunos, Franz Xaver Süssmayr (1766-1803).

Cravo alemão – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A apresentação será a primeira montagem com instrumentos históricos feita no Estado de São Paulo. Também será a primeira montagem do Requiem feita inteiramente com músicos latino-americanos, desde a estreia brasileira da obra, no Rio de Janeiro, em 1818. A regência ficará a cargo do maestro William Coelho, com direção artística da professora Monica.

Quando qualquer compositor escreve uma obra, mesmo os modernos, está pensando num tipo de sonoridade. Ele não constrói só a ideia conceitual da obra, as notas corretas, a dinâmica correta, ele está pensando também na cor, em como aquilo tudo vai soar, fisicamente”, explica o maestro Coelho. “E Mozart, quando escreveu o Requiem”, prossegue, “pensou na sonoridade que a gente está fazendo com esse programa hoje.”

No dia 12, é a vez da Orquestra de Arte Barroca, que apresenta obras de Johann Sebastian Bach (1685-1750), Joseph Haydn (1732-1809) e também de Mozart, com regência do maestro André Cortesi e direção do violinista Paulo Henes. Já no dia 13, o Abendmusik, especializado em música da Renascença e dirigido pelo cravista Pedro Diniz, convida o cornettista argentino Gustavo Gargiulo e a violinista Joelle Perdaens para o palco.

Monica Lucas e o maestro William Coelho – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Para Monica, o cornetto é “o instrumento mais lindo da história da música”. Raro hoje

em dia, foi bastante popular no século 16, rivalizando em importância com o violino, mas perdeu espaço por conta da dificuldade técnica. “É um instrumento lindo”, afirma a pesquisadora, “tocado por um músico excepcional.” A apresentação de Gargiulo, um dos mais importantes cornettistas da atualidade, será seu primeiro recital como solista no Brasil. Junto do Abendmusik, tocará repertório dedicado à música da Reforma luterana, origem do estilo de Bach.

Encerrando a programação, no dia 14, o grupo argentino Ensemble Musica Poetica mostra o programa Método para Pintar as Paixões com Sons, dedicado ao Barroco francês. “A música mais refinada que existe do século 18 é esse repertório”, afirma com entusiasmo Monica. Formam o Musica Poetica Joelle Perdaens, o flautista Gabriel Pérsico e a cravista brasileira radicada na Argentina Maria de Lourdes Cútolo.

Os concertos da Semana de Música Antiga acontecem de 11 a 14 de setembro, ao meio-dia, na sala Villa-Lobos da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP (Rua da Biblioteca, s/n, Cidade Universitária, em São Paulo, telefone 11 2648-0841). A partir das 14 horas, ocorrem as masterclasses, no mesmo espaço. As palestras do 8º Encontro de Pesquisadores em Poética Musical dos Séculos 16, 17 e 18 acontecem a partir das 9 horas, no Espaço das Artes (antigo Museu de Arte Contemporânea da USP), localizado na Rua da Praça do Relógio, 160, na Cidade Universitária, em São Paulo. Entrada grátis.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn192Print this pageEmail

Textos relacionados