Passados cem anos, seminário discute legado da Revolução Russa

Evento também homenageará o professor da USP Boris Schnaiderman, morto no ano passado, que faria 100 anos

Por - Editorias: Cultura
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Dos antecedentes aos desdobramentos, seminário propõe debate sobre a Revolução Russa – Foto: Domínio Público via Wikimedia Commons

.
O ano de 2017 está repleto de celebrações em memória da Revolução Russa, que completa 100 anos. Nos dias 6, 7 e 8 de junho, o Departamento de Letras Orientais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP promoverá um evento com debates e palestras acerca do tema. O encontro, marcado no auditório da Casa de Cultura Japonesa, na Cidade Universitária, também homenageará o centenário de nascimento de Boris Schnaiderman, Professor Emérito da unidade, que morreu no ano passado.

Ocorrida em 1917, a Revolução Russa deixou como herança diversos conceitos históricos, historiográficos, artísticos, literários, poéticos e cinéfilos. Segundo a professora Arlete Cavaliere, docente titular de Teatro, Arte e Cultura Russa da FFLCH e organizadora do evento, o objetivo do seminário é refletir sobre o período revolucionário, abordando de forma plural seus antecedentes e o legado deixado por esse momento tão importante para a Rússia e, de maneira geral, para todo o mundo.
.

É preciso ressaltar que a Revolução gerou, naquele período, um dos movimentos culturais e artísticos mais surpreendentes e multifacetados da história da arte moderna.
Arlete Cavaliere, organizadora do evento

.
Outro ponto importante a ser levantado no evento é a maneira como a sociedade atual enxerga a Revolução Russa de 1917. Servindo como objeto de estudos até os dias de hoje, o movimento influenciou, por exemplo, a esquerda cultural brasileira, principalmente no ramo teatral. O assunto será aprofundado pelo professor Edélcio Mostaço, da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), numa mesa-redonda que terá participação das professoras Aurora Bernardini, da USP, e Cristina Dunaeva, da Universidade de Brasília (UnB).
.

A Revolução Russa, época de explosão criativa na área da cultura – Foto: Domínio Público via Wikimedia Commons

.
Na Rússia, o final da década de 20 também foi essencial para o campo da poética. Uma das artes mais cultivadas durante a época, a poesia passou por diversas experimentações, alcançando o ápice nesse âmbito cultural. Os versos e estrofes construídos e inspirados na revolução serão protagonistas da mesa entre os professores Eduardo Sterzi e Tiago Pinheiro, ambos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e Sérgio Alcides, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), no último dia do evento, 8 de junho.

Ultrapassando as barreiras da esfera artística, o professor e historiador da USP Ruy Fausto irá propor debates de cunho histórico sobre o momento da revolução. Dialogando com o professor Daniel Aarão Reis, da Universidade Federal Fluminense (UFF), durante a conversa serão levantados os aspectos que antecederam a revolução e os diversos estágios que levaram ao seu estopim. Além disso, serão discutidos os desdobramentos legados daquela época.

O centenário de Boris Schnaiderman

Precursor dos estudos russos no Brasil, Boris Schnaiderman ficou conhecido nacional e internacionalmente por conta de suas traduções e ensaios baseados na língua do leste europeu. Professor Emérito da FFLCH, morreu no ano passado, aos 99 anos. Entretanto, uma feliz coincidência combinou o centenário da Revolução Russa com o de nascimento desse acadêmico.

Boris Schnaiderman, tradutor, escritor e Professor Emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Em homenagem a Boris Schnaiderman, o seminário terá sua mesa de abertura destinada exclusivamente a discutir a obra e o legado do professor. Com a presença de sua viúva, Jerusa Pires Ferreira, e sua filha Miriam Schnaiderman, o encontro tratará também do acervo de Schnaiderman, doado postumamente ao Laboratório de Estudos Russos da FFLCH.

Após a apresentação, haverá o lançamento do livro Khadji-Murát, de Lev Tolstói, obra que contou com a tradução de Schnaiderman. Completando as atividades, o evento também abrigará uma exposição de várias publicações da Editora 34, todos os títulos e textos relacionados à literatura russa, boa parte destes traduzida pelo homenageado.

O seminário 100 Anos da Revolução Russa em Debate — Centenário do Nascimento de Boris Schnaiderman acontecerá nos dias 6, 7 e 8 de junho, no auditório da Casa de Cultura Japonesa (FFLCH) da USP (Avenida Professor Lineu Prestes, 159, Cidade Universitária, São Paulo). As inscrições são gratuitas e feitas via site. A programação completa do evento está disponível aqui.
.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados