Confira aqui a programação do “Seminário Ana Mae Barbosa”

Evento terá participação de especialistas que abordarão diferentes aspectos da arte-educação

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Esta é a programação completa do Seminário Ana Mae Barbosa, que o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc promove nos dias 16 e 17 de outubro.

Dia 16 de outubro

14h30 – 16h | Ana Mae Barbosa em Primeira Pessoa

Nesta palestra, a pesquisadora e professora conversa com o público sobre sua trajetória profissional, compartilhando suas reflexões sobre a pesquisa, a formação, o ensino e o aprendizagem em artes no Brasil.
16h15 – 18h15 | As Escolinhas de Arte no Brasil

As Escolinhas de Arte de Recife, de Brasília e de São Paulo, que aconteceram na metade do século 20, fazem parte do Movimento de Escolinhas de Arte no Brasil, sendo experiências ricas a partir das quais emergiram questões sobre as relações entre arte e educação, experiências essas que foram integrantes essenciais no decorrer do percurso intelectual de Ana Mae Barbosa. Esta mesa tem a intenção de jogar luz sobre esse período inicial da trajetória da educadora, reconhecendo nele a gênese dos elementos fundamentais de suas reflexões. Com Analice Dutra Pillar (professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e Sidiney Peterson Ferreira de Lima (doutorando do Instituto de Artes da Unesp).

19h30 – 21h30 | A Abordagem Triangular

A Abordagem Triangular para o ensino das artes foi concebida por Ana Mae Barbosa. Trata-se de uma proposta pedagógica estruturada em três eixos: o fazer artístico, a apreciação ou leitura de obras de arte e a contextualização de produções artísticas.  Essa concepção abre possibilidades para que o professor apresente aos alunos aportes teóricos e estéticos, incentivo ao fazer artístico e informações socioculturais de um determinado objeto cultural. Com Rejane Coutinho (professora do Instituto de Artes da Unesp), Fernando Antônio Gonçalves de Azevedo (professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco) e Lucia Gouvêa Pimentel (professora da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais).

Dia 17 de outubro

14h – 16h | Arte-Educação: mediações

Os espaços onde as práticas culturais repercutem na formação das pessoas possuem meios que fazem transitar, por entre arquiteturas e públicos, os saberes sensíveis e inteligíveis. Assim, destaca-se nessa prática o Arteducação produções que desde 2001 apresenta projetos de mediação cultural buscando a produção de pesquisas, processos coletivos, trocas de experiências e gestão de projetos educativos.
Com Ana Amália Barbosa (mestre e doutora em Artes pela ECA), Edna Y. Onodera (arte-educadora e gestora especialista em projetos em mediação cultural), José Minerini Neto (doutor em Artes Visuais pela ECA) e Moa Simplício (artista gravador, professor universitário e consultor sobre acessibilidade e pessoas com deficiência, mestre em Artes pela USP).

16h15 – 18h15 | O legado e as contribuições de Ana Mae Barbosa na formação de educadores

Ana Mae Barbosa protagonizou eventos importantes para a construção de um pensamento sobre a formação de professores em artes, como a Semana de Artes e Ensino na USP, que reuniu cerca de 3 mil professores, a criação da linha de pesquisa em Arte-Educação na pós-graduação da ECA na mesma Universidade, e o Festival de Inverno de Campos de Jordão de 1983. Estas, entre outras iniciativas, contribuíram para a ampliação da consciência sobre a importância da formação de educadores em artes. Nesta mesa pretende-se debater as contribuições da pesquisadora para a constituição do campo da arte- educação. Com Rita Bredariolli (professora do Instituto de Artes da Unesp), Fernanda Pereira Cunha (professora da Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás) e Jociele Lampert (doutora em Artes Visuais pela ECA).
18h15 – 19h30 | Intervalo

19h30 – 21h30 | O que aprendi sobre educação

As contribuições de Ana Mae projetam-se para além da arte-educação. Esta mesa pretende refletir como os pressupostos teóricos e práticos da pensadora influenciaram outras áreas de conhecimento na educação, nas formas de ensinar, na formação de pesquisadores e nas experiências educacionais que extrapolam o meio acadêmico e institucional. Com Luiz Carlos Menezes (professor sênior do Instituto de Física da USP e consultor da Unesco para propostas curriculares) e Regina Machado (professora da ECA).

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados