Colóquio exibe importância dos trabalhadores gráficos paulistanos

Evento na Biblioteca Brasiliana, no dia 17, vai debater a produção de livros na São Paulo do século 20

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Um moderno parque gráfico, sucessor das oficinas de impressão da primeira metade do século 20, tema de palestra no IEB – Foto: Drucksaal Unitedprint via Wikimedia Commons/CC BY-SA 3.0

Em seu 22º encontro, o Colóquio Mindlin — iniciativa da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP — apresenta nesta quinta-feira, dia 17, às 14 horas, uma palestra do professor de História do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP Paulo Iumatti. Nela Iumatti falará sobre a importância do operário gráfico na construção material dos livros paulistanos no início do século passado. Como base para o debate, o autor usará a nova edição de seu livro Arte e Trabalho: Aspectos da Produção do Livro em São Paulo (1914-1945).
“Nesta reedição, é criada uma espécie de ‘história dos livros em São Paulo’, tomando como ponto de vista a materialidade, o aspecto gráfico e a própria construção dos exemplares em um momento em que a indústria gráfica paulista torna-se a maior do Brasil”, comenta Iumatti. “Dentro desse processo, temos todo um contexto de transformação tecnológica, especialização, padronização do trabalho editorial e crescimento da mecanização em relação às bases da indústria gráfica”, completa.

Obra de Paulo Iumatti conta a história do livro na São Paulo do século 20 – Foto: Divulgação

Durante a produção de sua obra, Iumatti estudou vários aspectos acerca do tema. Ele abordou áreas como identidade dos elementos visuais, formatos, organizações, proporções, ilustrações, identidade de ilustradores, presença de elementos heterogêneos, qualidade na impressão e, até mesmo, características das fibras dos papéis utilizados durante as impressões.

Segundo Iumatti, a análise das fibras, feita em parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) da USP, ajudou-o a entender melhor as escolhas editoriais e as características materiais dos exemplares que estavam em circulação há quase um século.

“Procurei fazer uma leitura do contexto mencionado através da análise da trajetória de alguns trabalhadores do jornal dos trabalhadores gráficos”, explica Iumatti. “Conto também a história dos elementos que, ligados à indústria gráfica, estiveram presentes na fundação da Editora Brasiliense durante o final da Segunda Guerra Mundial. Assim, faço uma análise específica, nos aspectos materiais e gráficos, dos livros publicados pela Brasiliense.”

Os estudos do professor buscam entender as intervenções dos trabalhadores, artesãos e operários gráficos na indústria do livro durante o início do século 20 — como ocorreu tal processo e de que forma as iniciativas dos trabalhadores foram apropriadas pelo mercado. Dentre as diversas abordagens trazidas em seus textos, durante o evento, o professor apresentará as possibilidades de pesquisa sobre o tema. Para isso, faz uma incursão no mundo dos gráficos, sob o pano de fundo da história social e cultural da cidade, como uma investigação acerca da forma dos livros, atenta aos projetos editoriais e às possibilidades de intervenção dos operários e artesãos gráficos.

O 22º Colóquio Mindlin — Os Saberes dos Trabalhadores Gráficos na Construção do Livro em São Paulo na Primeira Metade do Século 20 acontece no dia 17 de agosto, quinta-feira, às 14 horas, na Sala Villa-Lobos da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (Rua da Biblioteca, s/n, Cidade Universitária, em São Paulo). Entrada grátis. Não há necessidade de inscrição.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados