Civilizações da América pré-colombiana são tema de evento nesta semana

A cultura inca e a misteriosa cidade de Teotihuacan, no México – entre outros temas -, serão debatidas no 8º Colóquio de História e Arqueologia da América Indígena, que será realizado na USP entre os dias 28 e 30 de setembro

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
20160927_00_teotihuan2
Pirâmide de Teotihuacan, no México – Foto: Reprodução

.
A misteriosa Teotihuacan – cidade construída no século 1 antes de Cristo na Bacia do México, onde se localizam algumas das mais imponentes construções da América pré-colombiana – será um dos vários temas debatidos no 8º Colóquio de História e Arqueologia da América Indígena, que ocorrerá na USP entre os dias 28 e 30 de setembro. Hoje o ponto turístico mais visitado do México, Teotihuacan – a maior cidade da mesoamérica antes de Colombo – será analisada pela professora Verónica Ortega Cabrera, do Instituto Nacional de Antropología e Historia, do México, na conferência Teotihuacán y sus vínculos culturales con el sur de Mesoamérica (dia 28, às 14 horas, no Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. Ela vai expor teorias a respeito da ainda não totalmente conhecida cidade, que durante seu apogeu, na primeira metade do primeiro milênio depois de Cristo, influenciou toda a região da América Central, incluindo as culturas maia e asteca, e pode ter sido centro de um império. O colóquio é uma realização do Centro de Estudos Mesoamericanos e Andinos (Cema) da USP.

20160927_machu_picchu
Machu Picchu, no Peru – Foto: Reprodução

A civilização dos incas também será tema de debates durante o colóquio. Donos de um dos maiores impérios da mesoamérica pré-colombiana – baseado no atual Peru e estendendo-se desde a Argentina até a Colômbia, área em que eram faladas cerca de 700 línguas -, os incas serão analisados segundo diferentes pontos de vista. A doutoranda da Universidad Nacional Mayor de San Marcos, em Lima, no Peru, Carmen Cazorla discorrerá sobre aspectos da produção agrícola dos incas e Fabián Andrés Torres, pós-graduando da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), em Foz do Iguaçu, falará sobre a fundação de Cuzco – capital inca – através das crônicas da época colonial. Carmen e Fabián participarão da mesa-redonda dos Arqueologia e História dos Incas (dia 28 de setembro, às 15 horas, no Departamento de História da FFLCH), com mediação da professora Cristiana Bertazoni, uma das organizadoras do colóquio.

Segundo o professor Eduardo Natalino dos Santos, docente do Departamento de História da FFLCH e também um dos organizadores do colóquio, o evento não se destina somente ao público que trabalha diretamente com o estudo do tema da América indígena nos cursos de graduação de História e Arqueologia, mas para ao público geral. Segundo ele, temas como a arqueologia brasileira e a arqueologia mexicana atraem uma gama maior de pessoas, como interessados em arte e arquitetura. Por isso, o evento consegue ser acessível aos leigos. “Eu diria que de um quarto, talvez até um terço, das pessoas que compareçam ao evento não sejam necessariamente ligadas às graduações de História e Arqueologia”, calcula o professor.

Arquitetura inca
Arquitetura inca – Foto: Reprodução

Etnologia e história ameríndia recente, Os ameríndios e o regime colonial na América portuguesa e espanhola e Arqueologia das Terras Baixas da América do Sul serão outros temas debatidos em mesas-redondas durante o colóquio. O evento abordará também Histórias e cosmologias ameríndias nos códices nahuas, mixtecos e maias, Indígenas e cristãos no vice-reino da Nova Espanha, Indígenas e cristãos no vice-reino do Peru e Arqueologia da Mesoamérica.

Em sua 8ª edição, o Colóquio de História e Arqueologia da América Indígena busca incentivar, no Brasil, a realização de pesquisas sobre os povos indígenas da Mesoamérica e dos Andes Centrais, especialmente dos períodos pré-hispânico e colonial, mas também sobre outros períodos históricos ou outras regiões do continente, segundo texto de apresentação do evento. “A realização deste objetivo passa, necessariamente, por promover o diálogo entre essas pesquisas e as que se desenvolvem em outros países, tarefa para a qual muito contribuíram os sete colóquios anteriores, realizados entre 2002 e 2012.” O Cema foi fundado no ano 2000.

O 8º Colóquio de História e Arqueologia da América Indígena ocorrerá nos dias 28 a 30 de setembro, no Departamento  de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP (Avenida Professor Lineu Prestes, 338, Cidade Universitária, São Paulo) e na Casa de Cultura Japonesa (Avenida Professor Lineu Prestes, 159, Cidade Universitária, São Paulo). A promoção é do Centro de Estudos Mesoamericanos e Andinos (Cema) da USP. Entrada grátis. Mais informações e a programação completa do evento podem ser obtidas no site do Cema

.

.

.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados