Cineclube de São Carlos apresenta ciclo sobre Charles Chaplin

Mostra apresenta os últimos quatro longas-metragens produzidos pelo cineasta norte-americano

Por - Editorias: Cultura
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Charlie Chaplin recebendo o Oscar pela trilha sonora de Luzes da Ribalta (1952) – Foto: Associated Press photographer via Wikimedia Commons / Domínio público

O ciclo Chaplin após Carlitos, programado pelo Cineclube do Centro de Divulgação Científica e Cultural (CDCC) da USP, em São Carlos (SP), é dedicado aos últimos quatro longas dirigidos por Chaplin: Monsieur Verdoux (Estados Unidos, 1947, comédia, 124 minutos), Luzes da ribalta (Estados Unidos, 1952, drama, 137 minutos), Um rei em Nova York (Reino Unido, 1957, comédia, 110 minutos) e A condessa de Hong Kong (Reino Unido, 1957, comédia, 110 minutos). Esses filmes cobrem duas décadas de sua carreira (1947 a 1967), mostrando uma face diferente do habitual palhaço. As sessões são gratuitas, apresentadas nos quatro sábados de maio, às 20 horas.

O ciclo teve início no dia 5 de maio, com a apresentação de Monsieur Verdoux.

Neste sábado, dia 12, será exibido Luzes da ribalta, com Charles Chaplin, Claire Bloom e Buster Keaton no elenco. Segundo texto divulgado pelo CDCC e assinado pela crítica Mariana Castro de Souza, Charles Chaplin produziu Luzes da ribalta em um momento conturbado da sua vida, sofrendo com ataques do governo e imprensa americanos. Com a falta de apoio dos Estados Unidos, Chaplin fez apenas exibições particulares e também uma première em Londres. “Embora sua produção tenha sido em 1952, o longa-metragem foi lançado nos Estados Unidos apenas em 1973. Concorrendo com O Poderoso Chefão, Trama Diabólica e outros, o filme ganhou o Oscar de Melhor Canção Original.” Com o visto anulado e impedido de voltar aos Estados Unidos, Chaplin foi morar na Europa, onde produziu mais dois filmes, retornando à América do Norte apenas para receber o prêmio da Academia.
Cena do filme Luzes da ribalta – Foto: Divulgação

No dia 19, será a vez da apresentação de Um rei em Nova York, que tem no elenco Charles Chaplin, Maxine Audley e Jerry Desmonde. “Enquanto viajava pela Europa divulgando seu filme Luzes da ribalta, Chaplin, que tinha uma tendência claramente socialista, perdeu o visto americano e não pôde mais voltar para aquele país. Longe de Hollywood, o cineasta dirigiu Um rei em Nova York, seu último longa como protagonista, que é claramente uma crítica satírica da política americana. O idoso Chaplin que vemos quase não lembra o intérprete do Carlitos, a que estamos acostumados. O humor, no entanto, é inconfundível e, mesmo sendo um filme falado, o que mais se destaca é a comédia pastelão e a expressão física do ator, que são seu ponto forte”, escreve o crítico Felipe Augusto Hencklain, no texto divulgado pelo CDCC.

Cena de Um rei em Nova York – Foto: Divulgação
Finalmente, no dia 26, o ciclo Chaplin após Carlitos apresenta A condessa de Hong Kong, com Marlon Brando, Sophia Loren e Sydney Chaplin. “Infelizmente, na visão de muitos, Charles Chaplin não conseguiu fechar sua carreira com chave de ouro. A condessa de Hong Kong, último filme do diretor, traz muitas inovações ao seu estilo, mas a premissa é muito batida”, escreve Felipe Hencklain. “A condessa de Hong Kong tinha uma verdadeira constelação em seu elenco. Os protagonistas, Marlon Brando e Sophia Loren, estavam no auge de suas carreiras, e o diretor era ninguém menos que Charles Chaplin. Mas esse talvez tenha sido um dos erros na produção do filme. Há relatos de que houve um choque entre os egos de Brando e de Chaplin nos bastidores. No entanto, o maior erro é o próprio argumento. A história de um homem e uma mulher que começam hostis um ao outro, mas acabam se apaixonando é tão batida em comédias românticas, que não há nenhuma surpresa no desenrolar do filme. Os bons momentos estão, como sempre, nos traços mais, digamos, chaplinianos, como o humor pastelão de Sophia Loren ou até mesmo a breve aparição do diretor no filme.”
O ciclo Chaplin após Carlitos continua nos próximos sábados de maio, dias 12, 19 e 26, às 20 horas, no Centro de Divulgação Científica e Cultural (CDCC) da USP (Rua Nove de Julho, 1.227, em São Carlos). Mais informações pelo telefone (16) 3373-9772. Entrada grátis. 
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados