Terapia fotodinâmica é eficiente na prevenção de câncer de colo uterino

Projeto desenvolvido pelo grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos foi vencedor da categoria “Integração” do Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia

Por - Editorias: Tecnologia
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Equipamento desenvolvido para o tratamento de Neoplasias Intraepiteliais Cervicais (NICs) - Foto: Divulgação Agência USP de Inovação
Equipamento desenvolvido para o tratamento de Neoplasias Intraepiteliais Cervicais (NICs) – Foto: Divulgação Agência USP de Inovação

O projeto Inovações para Prevenção do Câncer de Colo de Útero, desenvolvido pelo Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP, foi um dos vencedores da última edição do Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia. A proposta da pesquisadora Natalia Inada foi usar a Terapia Fotodinâmica para tratar as lesões causadas pelo vírus HPV no colo do útero de mulheres infectadas. Não invasiva, a Terapia Fotodinâmica já era utilizada com sucesso para o tratamento de doenças dermatológicas. Agora, o método pode ser usado para tratar lesões uterinas, prevenindo sua possível evolução para um tumor maligno.

Equipamento desenvolvido para o tratamento de Neoplasias Intraepiteliais Cervicais (NICs) - Foto: Youtube
Com a paciente deitada em posição ginecológica, o equipamento que projeta luz é introduzido durante 20 minutos – Foto: Youtube

Até recentemente, essas neoplasias eram tratadas apenas por métodos cirúrgicos, o que causava grande desgaste à saúde da mulher, além de gerar altos custos para o governo com operações e internações. Por outro lado, quando não tratadas de maneira rápida e adequada, as Neoplasias Intraepiteliais Cervicais (NICs) de baixo e alto graus podem progredir para o câncer. A alta incidência desse tipo de tumor no Brasil e em outros países da América Latina motivou Natalia a principiar o desenvolvimento do projeto, em 2011, quando conseguiu o apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Sob a coordenação do professor Vanderlei Salvador Bagnato, Natalia elaborou um protótipo posto à aprovação de médicos, que realizariam testes clínicos com o mesmo. A pesquisadora fez então uma triagem de pacientes portadoras de NICs para realização de tratamento e acompanhamento das mesmas, a fim de testar a eficácia da técnica. Após o tratamento das primeiras pacientes que possuíam NICs de baixo grau, foram alcançados resultados positivos nas cerca de 70 participantes, todas entre 14 e 58 anos de idade. Desde então, Natalia realiza o acompanhamento dessas mulheres – que já dura quatro anos.

Tratamento clínico e premiação

Pesquisadora Natalia Inada - Foto: Divulgação Agência USP de Inovação
Pesquisadora Natalia Inada – Foto: Divulgação Agência USP de Inovação

Em 2014, houve a entrada de Fernanda Mansano Carbinatto no projeto, que iniciou o seu pós-doutorado com a pesquisa intitulada Terapia fotodinâmica no diagnóstico e tratamento da Neoplasia Intraepitelial Cervical graus II e III. Fernanda colaborou para o avanço das pesquisas ao realizar o tratamento clínico de pacientes portadoras de NIC de alto grau, em parceria com Wellington Lombardi, do Ambulatório Saúde da Mulher (Araraquara), e Renata Belotto, do Hospital Pérola Byington (São Paulo). Além do tratamento e acompanhamento das pacientes, Fernanda também auxilia no aperfeiçoamento do sistema de detecção das lesões de colo do útero por fluorescência.

Natalia Inada já apresentou os resultados do seu trabalho em publicações e congressos pelo Brasil. Em 2015, o projeto foi inscrito no Prêmio Mercosul de Tecnologia, que é organizado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) do Brasil. Com o apoio institucional da Unesco e patrocínio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o prêmio tem como objetivo reconhecer trabalhos que contribuem para o desenvolvimento científico e para a integração dos países membros e associados do bloco econômico.

Pós-doutoranda do IFSC Fernanda Mansano Carbinatto - Foto: Divulgação Agência USP de Inovação
Pós-doutoranda do IFSC Fernanda Mansano Carbinatto – Foto: Divulgação Agência USP de Inovação

Com o tema “Inovação e Empreendedorismo”, a edição de 2015 teve a participação de linhas de pesquisa que cobrem temas como inovação tecnológica, geração de startups e gestão da informação. O projeto Inovações para Prevenção do Câncer de Colo de Útero foi vencedor da categoria “Integração”, com anúncio em maio deste ano.

Cabe ressaltar que a participação de empresas como a MM Optics e a PDT Pharma, como parceiras no desenvolvimento do projeto, comprovam o interesse empresarial em criar canais de disponibilização de iniciativas como essa à população do Brasil e do mundo.

Para Natália, “este reconhecimento público reflete a importância desta iniciativa que traz a possibilidade de evitar novos casos de câncer de colo uterino, doença que, a longo prazo, poderá sair das estatísticas de tipos de câncer que mais matam no nosso país”. “A premiação do projeto”, complementa Fernanda, “abre portas para novas pesquisas clínicas voltadas à melhora da saúde da população brasileira”.

Do Boletim Inovação, com edição do Jornal da USP

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados