Colunista comenta a função do observador no processo do saber

Ciro Marcondes Filho aponta as diferenças entre as noções clássica e moderna de observação

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

cab_ciro_marcondes

Acompanhe o comentário de Ciro Marcondes Filho na coluna “Ciência Feliz”:

logo_radiousp

 

20161004_visão_colunistaciro
Visão Mundo – Visual Hunt

O professor Ciro Marcondes Filho aborda, na coluna desta semana, a maneira como se observa o mundo. Segundo ele, o matemático inglês Bertrand Russel acreditava ser possível descrever o mundo objetivamente através da observação. Suas ideias foram superadas com a introdução da Teoria da Incompletude de Kurt Gödel e das teorias da interferência do observador no processo do saber.

Marcondes lembra que, no pensamento clássico aristotélico, as coisas podem ser certas ou erradas, sem espaço para oscilações, que só poderiam vir do pesquisador. Atualmente, no entanto, o observador tem responsabilidade sobre seus atos e, portanto, pondera e escolhe. O professor ressalta que atualmente acredita-se, contrariando o pensamento clássico, que algo pode ser e não ser simultaneamente, como no clássico “dilema do barbeiro”.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados