Relatório sugere medidas diante de mudança climática em São Paulo

Texto entregue para secretaria ambiental de São Paulo nasceu de workshop organizado por grupo de pesquisa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Reunidos, pesquisadores de universidades e representantes de secretarias municipais de São Paulo contribuíram para produção do documento – Foto: Paulo Pinto via Fotos Públicas

.
Como a cidade de São Paulo vem se portando em relação às mudanças climáticas e o que pode ser feito para aumentar a capacidade de adaptação da megalópole? São esses os dois principais questionamentos que um relatório encaminhado no início de fevereiro à Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente (SVMA) procura responder.

Produzido por Gabriela Marques Di Giulio, professora da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, em colaboração com a professora Maria Carmen Lemos, da School of Natural Resources and Environment da Universidade de Michigan, e a arquiteta Laura Ceneviva, da SVMA e secretária executiva do Comitê de Mudança do Clima e Ecoeconomia, o relatório baseia-se nas discussões promovidas durante o workshop Mudanças climáticas e o processo decisório na megacidade de São Paulo.

O evento, que ocorreu na FSP no final de 2016, uniu servidores de diferentes secretarias municipais de São Paulo e pesquisadores de diversas universidades — a maior parte deles integrante do CiAdapta.

CiAdapta

Projeto financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e coordenado por Gabriela, o CiAdapta – Cidades, Vulnerabilidade e Mudanças Climáticas: uma abordagem integrada e interdisciplinar para análise de ações e de capacidade adaptativa teve início em 2015. Desde então, tem se estabelecido como uma rede de pesquisadores interessados no tema, com participação de atores das mais variadas ciências humanas e ambientais. Além da presença de pesquisadores da USP e da Universidade de Michigan, o projeto conta com colaboradores da Unesp, da Unifei, da Ufes, da Ufam, da UFPR, da UFRGS e da UFRN.

Um projeto anterior de Gabriela tinha como foco a cidade de São Paulo. Já no CiAdapta, o enfoque ampliou-se e passou a abranger outras grandes cidades brasileiras, como Manaus, Natal, Vitória, Curitiba e Porto Alegre. Segundo a pesquisadora, em termos metodológicos, o projeto se divide em três etapas, que acontecem simultaneamente.

A primeira delas é a aplicação de um questionário aos técnicos e gestores das diferentes secretarias municipais das cidades estudadas, objetivando “entender as respostas que as cidades dão para as questões climáticas e que elementos ou variáveis interferem em uma maior ou menor capacidade de adaptação dessas cidades”.

Além disso, o CiAdapta tem como um de seus objetivos refinar o índice de vulnerabilidade socioclimática desenvolvido por dois pesquisadores do grupo, David Lapola, da Unesp, e Roger Torres, da Unifei. O indicador leva em consideração, basicamente, dados como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a densidade populacional e as projeções climáticas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) para médio e longo prazos.

“Apesar do índice ter norteado a escolha de quais cidades estudar, as variáveis que ele considera não necessariamente trazem a complexidade do mundo real”, explica a professora da FSP, ao expor que um dos desafios do projeto é garantir um índice mais refinado, que capte melhor a variabilidade socioclimática.
.

Gabriela Marques Di Giulio, professora da FSP: meio ambiente e mudanças climáticas são temas considerados importantes pela população, mas falta internalizar as questões e levá-las para o cotidiano – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Uma das formas de aprimorar o índice se encontra na outra etapa do projeto: a realização de workshops com os técnicos e gestores das cidades estudadas. São Paulo, a cidade piloto, foi justamente a primeira a receber um evento do tipo.

Relatório

Com base nas discussões promovidas no workshop, foi construído o relatório entregue à SVMA. Segundo a professora Gabriela Di Giulio, o texto levanta seis pontos centrais para a discussão do tema mudanças climáticas em São Paulo, relacionando-os com a literatura sobre o tema e em uma linguagem palatável e acessível.

O primeiro é a incorporação das projeções climáticas e dos dados na elaboração de ações a serem realizadas na cidade, com foco nas políticas no-regrets. “São aquelas políticas que, independentemente de ter algum efeito sobre a questão climática, têm efeitos em várias frentes, e as cidades podem investir nelas que só tende a melhorar. São medidas alinhadas à questão ambiental, mas que possibilitam efeitos em outras questões”, explica.

O segundo ponto levantado pelo texto é a “necessidade de conhecimento mais aprofundado tanto sobre o impacto das mudanças climáticas na cidade quanto em relação a quais respostas e que elementos interferem na capacidade de adaptação da cidade”. O terceiro aspecto, bastante debatido pelos técnicos no evento, é a união entre a necessidade de se adaptar à questão climática com uma transformação econômica. “Escolhas na cidade que priorizem tanto a descarbonização, que a gente está chamando de ‘economia verde’, quanto o atendimento aos interesses da população numa perspectiva de melhorar a qualidade de vida”, aponta Gabriela.

Outra recomendação do relatório entregue à SVMA é a necessidade de se utilizar do peso econômico e político que a cidade de São Paulo tem nacional e internacionalmente para chamar a atenção para a questão climática, “para servir como exemplo para outras cidades”. Além disso, o texto sugere a criação de uma instância institucionalizada e vinculada à Secretaria do Verde e Meio Ambiente para tratar da questão da mudança do clima, com o “estabelecimento de uma plataforma que integre conhecimentos e ações das secretarias municipais e oportunize maior diálogo e interação com instituições de pesquisa”.

Por fim, uma última questão trazida pelo documento é o momento de transição política. Segundo a professora, “é a oportunidade de aproveitar o momento para incorporar essas perspectivas e projeções climáticas na estrutura normativa da administração pública”.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados