No Ano da Ciência da Wikipédia, núcleo da USP atualiza verbetes sobre teoria do cérebro

Wikipédia é referência de pesquisa para internautas que procuram respostas sobre temas científicos

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn2Print this pageEmail
Foto: Wikimedia Commons
Foto: Wikimedia Commons

.
A enorme audiência constatada pelas métricas de controle na web mostra a Wikipédia como um meio de divulgação científica de grande impacto. Para estimular cientistas e pesquisadores a aperfeiçoarem o conteúdo da enciclopédia digital, a Fundação de Educação Wiki – uma organização sem fins lucrativos que contribui para preencher lacunas de conteúdo na Wikipédia – lançou em 2016 o “Ano da Ciência” na enciclopédia. A iniciativa levou alunos e pesquisadores de centenas de escolas e universidades norte-americanas a melhorarem as informações de ciência da enciclopédia eletrônica e a instrução científica através da Wikipédia.

Embora a Fundação de Educação Wiki tenha um foco estrito na América do Norte, o Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) em Neuromatemática (Neuromat), sediado na USP, assumiu o papel de fazer um próprio “Ano da Ciência” na Wikipédia. Trata-se do único centro no Brasil participando da campanha, reeditando e criando novos verbetes sobre a teoria do cérebro, com um foco especial na versão em Português da enciclopédia.

Para reforçar a parceria, membros da equipe da Wikimedia Foundation, a organização sem fins lucrativos que hospeda a Wikipédia e outros projetos, visitaram o NeuroMat no mês passado. Asaf Bartov, um dos diretores da fundação, acredita que o trabalho do NeuroMat pode fundamentar, inclusive, a definição de outros verbetes mais comuns na enciclopédia digital. “Um artigo científico de vocês pode realmente ajudar um verbete, porque nem todo editor da Wikipédia tem conhecimento científico suficiente para saber o que é um processo estocástico, por exemplo, ou onde isso se encaixa”, disse Bartov. A ideia dele é que a Universidade ou o centro de pesquisa possa disponibilizar esses conceitos e a partir disso os voluntários conseguirão integrar a informação em outros verbetes.

Foto: Wikimedia Commons
Foto: Wikimedia Commons

Gregory Varnum, responsável pela comunicação da Wikimedia, cita um caso de colaboração mal sucedida. Ele conta que a comunidade médica fez críticas ao verbete sobre HIV/Aids e foi, então, chamada a reformular o verbete. “Eles entendem o assunto num nível tão especializado que descreviam como se estivessem escrevendo um artigo científico. Então, não servia para ninguém. O artigo tinha muita biologia, enquanto o que as pessoas queriam saber é se poderiam pegar Aids ao beijar”, diz Varnum. A solução foi os pesquisadores explicarem o assunto para os editores voluntários, que depois traduziram em uma linguagem acessível para o público geral.

Bartov menciona outra forma de integração entre acadêmicos e a enciclopédia. “Podemos falar para os cientistas: ‘vocês gostariam de ler esses 30 artigos sobre saúde mental e nos contar o que está ultrapassado ou é uma teoria desacreditada ou que mostra apenas um lado das discussões acadêmicas?’ Porque, para eles, é fácil responder a essas perguntas. Assim o centro de pesquisas pode tornar disponível as novidades da área e colaborar para que os verbetes sejam reescritos”.

Wikipédia: referência de pesquisa

Foto: Wikimedia Commons
Foto: Wikimedia Commons

É na web que a maior parte dos internautas encontra respostas sobre temas científicos. De acordo com dados do renomado instituto americano de pesquisa Pew Research Center, até 2006 cerca de 70% dos usuários norte-americanos utilizavam a internet para suas pesquisas sobre ciência. Aqui no Brasil, dados do IBGE apontam que o número de pessoas que utilizou a Internet até 2005 foi bastante distinto em função da finalidade do acesso. No entanto, entre a população maior de 10 anos, 71,7% buscaram assuntos relacionados a educação e aprendizado.

De lá para cá, a perspectiva de crescimento do número aumentou e com ele também a Wikipédia, que foi se tornando mais robusta até despontar como referência fundamental em ciência nos motores de busca e um dos dez sites mais visitados do mundo, segundo a comScore Networks Inc. Uma pesquisa da University of British Columbia, de 2015, revelou que a Wikipedia também é uma fonte mais popular para pesquisas relacionadas à saúde do que o NIH – Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos. Contendo mais de 25 mil artigos sobre medicina, a Wikipédia vai deixando de ser uma ferramenta de pesquisa apenas de pacientes, mas fonte de informação para profissionais de saúde.

Um dos grupos interdisciplinares do NeuroMat trabalha no desenvolvimento de ferramentas estatísticas, buscando melhorar a avaliações dos profissionais de saúde na compreensão da reabilitação do acidente vascular cerebral. A partir dessa experiência, diversas entradas como “Classificacão de disparos neuronais”, “Doença de Alzheimer” e “Neuromatemática” têm sido aperfeiçoadas na Wikipédia.

Foto: Wikimedia Commons
Foto: Wikimedia Commons

Para além dos verbetes, o NeuroMat também tem colaborado com o repositório de imagens associada à enciclopédia e investido em uma relação mais interativa com a Wikipédia. O centro planeja a exposição Por dentro do Cérebro, que abordará a relação entre cérebro e massa corporal baseando parte da experiência no conteúdo disponível na enciclopédia digital. “A ideia é inserir uma série de elementos que podem ser visitados através de links e códigos QR Codes, oferecendo uma experiência online para os visitantes”, conta Helene, organizador do evento e também coordenar do Laboratório Ciência da Cognição, no Instituto de Biociências (IB) da USP. A data da exposição ainda não foi definida.

Atualmente o NeuroMat é o único Cepid a receber uma bolsa de Jornalismo Científico para fazer difusão de Neuromatemática na Wikipédia. Além de assegurar que verbetes sobre neurociência sejam criados e estejam atualizados na enciclopédia, o projeto pretende contribuir com o preceito de ciência aberta. A tarefa inicial foi a criação de um verbete sobre “Modelos de Disparos Neuronais”, que ainda não existia em português.

Tabita Said / Equipe de Difusão do NeuroMat

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn2Print this pageEmail

Textos relacionados