Deficiência em hormônio promove ganho de peso em pacientes após cirurgia bariátrica

A pesquisa avaliou 24 pacientes submetidos à cirurgia bariátrica, acompanhados pelo período de cinco anos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
 Foto: Visual Hunt
Foto: Visual Hunt

Um estudo do Serviço de Cirurgia Bariátrica e Metabólica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP) mostra, pela primeira vez, que a produção do hormônio gastrointestinal GLP-1 em pacientes que recuperam peso expressivo após cirurgia bariátrica é diferente daqueles pacientes operados que mantiveram controle do peso satisfatório.

A pesquisa, publicada na revista Obesity Surgery, uma das mais importantes sobre o tema, avaliou 24 pacientes submetidos à cirurgia bariátrica, acompanhados pelo período de cinco anos. Os pacientes que tiveram recorrência da obesidade e reganharam mais da metade do peso perdido apresentaram diminuição nos níveis do GLP-1, enquanto aqueles que mantiveram o peso perdido controlado apresentam níveis mais elevados de produção do hormônio.

Foto: Visual Hunt
Foto: Visual Hunt

O GLP-1 (Peptídeo semelhante ao Glucagon1) é responsável pela diminuição do apetite através do aumento da sensação de saciedade no cérebro. A produção do hormônio é estimulada pela cirurgia bariátrica, considerada a ferramenta mais eficaz no controle e no tratamento da obesidade grave.

A descoberta deverá abrir novas perspectivas de tratamento, explica Marco Aurélio Santo, autor do estudo e responsável pelo Serviço de Cirurgia Bariátrica. “A obesidade é uma doença crônica e de origem multifatorial. Entender melhor os mecanismos envolvidos poderá convergir em propostas de tratamento que se traduzam em resultado clínico”, enfatizou o médico.

Segundo o cirurgião, nos primeiros dois anos, os pacientes, divididos em dois grupos (A e B) e com características semelhantes como idade média e IMC (Índice de Massa Corpórea) no período pré-operatório, perderam muito peso e chegaram a um peso semelhante.

A partir do 3° ano, o grupo A, com 14 pacientes, manteve o peso após perda inicial bem-sucedida, enquanto o grupo B, com dez pacientes, obteve reganho de peso. A influência do hormônio gastrointestinal GLP-1 no processo de recuperação de peso foi evidenciada em apenas um dos grupos, naquele com reganho expressivo. As causas da baixa produção do GLP-1 nesses pacientes ainda é uma incógnita para os pesquisadores. “É como se o organismo cansasse de produzir esse hormônio”, explicou Santo.

Estudos anteriores mostram que, de modo geral, a cirurgia bariátrica melhora uma série de aspectos metabólicos porque também aumenta a secreção de GLP-1. Mas até agora nenhum trabalho havia descrito que pacientes submetidos à cirurgia de redução de estômago que voltam a ganhar peso produzem menos desse hormônio, tema do estudo.

Os resultados deverão nortear novas linhas de pesquisas.

Da Assessoria de Imprensa do Instituto Central do HCFMUSP

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados