Disfunção respiratória pode estar associada a morte súbita em pacientes com epilepsia

Embora as causas desse fenômeno ainda sejam desconhecidas, o problema atinge seis pessoas diariamente só nos Estados Unidos

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Foto: Divulgação/ICB
Foto: Divulgação/ICB

As estatísticas apontam que, por dia, seis pessoas são acometidas por morte súbita associada à epilepsia (Sudep) nos Estados Unidos. Embora os números sejam expressivos, o fenômeno ainda é desconhecido para o público em geral e para os profissionais de saúde.

Não há na literatura médica clareza sobre os mecanismos que levam à morte súbita de pacientes com quadro de epilepsia; são justamente esses mecanismos que pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) e da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP buscaram compreender no estudo recém-publicado no Journal of Physiology, um dos mais importantes periódicos na área das Ciências Biomédicas. Os resultados sugerem que disfunções respiratórias podem estar associadas aos casos de Sudep.

“Sabemos que os distúrbios no sistema cardiorrespiratório são considerados fatores de elevado risco para óbito”, afirma um dos responsáveis pelo estudo o pesquisador do ICB, Thiago S. Moreira.

Evidências mostram que durante as crises de epilepsia o paciente pode sofrer arritmias e depressão respiratória. Para verificar a possível relação entre a Sudep e o sistema respiratório, os pesquisadores utilizaram animais geneticamente selecionados, a cepa denominada Wistar Audiogenic Rat (WAR) desenvolvida pelo grupo do professor Norberto Garcia-Cairasco, do Departamento de Fisiologia da FMRP, que quando submetidos a estímulos sonoros, respondem com crises tônicos-clônicas e límbicas, semelhantes às crises de epilepsia.

“Durante essas crises, foi percebida uma grande redução na atividade respiratória e na captação de oxigênio”, explica Leonardo Totola, doutorando do Laboratório de Controle Cardiorrespiratório do ICB, orientando de Moreira. Ana Carolina Takakura, professora do ICB e colaboradora do projeto, explica que a disfunção respiratória acontece em “decorrência de alterações em regiões específicas do sistema nervoso central, responsáveis por controlar a respiração”.

Os resultados obtidos no estudo incorporam novas informações sobre os mecanismos de controle respiratório em modelo genético de epilepsia. Durante uma crise, pode haver comprometimento de áreas do sistema nervoso que induzem disfunções respiratórias, que por sua vez, podem contribuir para o quadro de Sudesp.

O estudo obteve apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pelo Programa de Excelência Acadêmica da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o artigo Impaired central respiratory chemoreflex in an experimental genetic model of epilepsy pode ser acessado neste site.

Com informações do ICB

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados