Sistema Tempocampo prevê aumento de 3% na produção de cana

O crescimento ocorre no Centro-sul do Brasil por causa da expansão da área de cultivo e melhora do tempo

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Simulações apontam para condições climáticas mais favoráveis em relação à safra do ano passado, em regiões importantes como Ribeirão Preto, São Paulo, o sul de Goiás e o Triângulo Mineiro. Foto: Tempocampo/Esalq

A produção de cana-de-açúcar nas usinas do Centro-sul do Brasil deverá ter elevação na safra que começou em maio deste ano. O ganho será de 3%, em relação à safra anterior. É o que mostram simulações do Sistema Tempocampo, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, que indicam que o aumento, em parte, se dará por causa de uma expansão da área de cultivo e melhoria das condições meteorológicas nas regiões canavieiras.

Mas há a possibilidade de queda de produtividade no sudeste do Mato Grosso do Sul, oeste de São Paulo e norte do Paraná, em decorrência de condições adversas. Foto: Tempocampo/Esalq

As simulações do Sistema Tempocampo apontam para condições climáticas mais favoráveis em relação à safra do ano passado, em regiões importantes como Ribeirão Preto, São Paulo, o sul de Goiás e o Triângulo Mineiro. Em contrapartida, há a possibilidade de queda de produtividade no sudeste do Mato Grosso do Sul, oeste de São Paulo e norte do Paraná, em decorrência de condições adversas.

O Sistema Tempocampo é uma ferramenta de apoio à decisão para o setor público e privado baseada em modelos agrometeorológicos calibrados para condições específicas de cada ambiente de produção. Conta com uma infraestrutura computacional embasada em amplos bancos de dados climáticos alimentados diariamente para todos os Estados brasileiros. Proporciona, desde 2016, suporte à tomada de decisão de produtores e empresas pelo monitoramento agrometeorológico e geração de cenários agrícolas futuros com foco no efeito do clima sobre a cultura.

Para facilitar a interpretação, a ferramenta se vale de um simples indicador denominado Coeficiente de Produtividade Climática (CPC), que representa a taxa de variação de produtividade decorrente da variabilidade climática entre a safra atual e a safra anterior. Deste modo, todas as variáveis meteorológicas são reunidas e ponderadas pelos modelos baseados em processos em um único coeficiente, facilitando sua interpretação e tornando mais transparente o efeito do clima sobre o desempenho das culturas.

Acesse o boletim de 2017 do Sistema Tempocampo.

Caio Albuquerque/Divisão de Comunicação da Esalq

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados