Problema da superpopulação carcerária demanda medidas urgentes

Custo com prisões é alto e não gera benefícios para a sociedade, afirma o colunista Pedro Dallari

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

logo_radiousp790px00_zero

Superpolução carcerária existe no mundo inteiro: sistema precisa de penas alternativas - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Superpopulação carcerária existe no mundo inteiro: sistema precisa de penas alternativas – Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O colunista Pedro Dallari retoma o tema de sua coluna anterior: o problema da superpopulação carcerária no Brasil. Afinal, são 650 mil presos e a sociedade paga caro para mantê-los isolados, sem que isso, necessariamente, implique em sua recuperação – pelo contrário, as prisões funcionam hoje como “escolas do crime”, tornando de alta periculosidade muitos indivíduos que, ao ingressarem no sistema prisional, eram considerados de baixa periculosidade.

Para Dallari, apenas os presos mais perigosos deveriam ser mantidos sob cárcere. Aos demais, deveriam ser aplicadas penas alternativas, a fim de que não fossem aliciados pelo crime organizado. “Essa é uma questão fundamental da cidadania num mundo globalizado: como lidar com a população carcerária e como tratar a população que comete ilícitos”, afirma o colunista.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados