Stephen Hawking deixa enorme legado à ciência

O físico relacionou a Teoria da Relatividade de Einstein à quântica

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

Stephen Hawking, físico teórico e cosmólogo, faleceu hoje, aos 76 anos. O britânico foi um dos cientistas mais conhecidos dos séculos 20 e 21. Hawking foi diagnosticado com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) desde seus 21 anos e, mesmo sem poder se movimentar e falar durante a maior parte de sua vida, suas contribuições à ciência são incontáveis. Seus principais trabalhos foram sobre a origem e a estrutura do Universo, ajudando a decifrar os misteriosos buracos negros. O professor Elcio Abdalla, físico teórico do Instituto de Física da USP, falou sobre a importância do trabalho de Stephen Hawking para a ciência.

Antes de Hawking, achava-se que os buracos negros eram eternos e não emitiam nenhum tipo de energia. Hoje, a teoria é de que eles existem por um tempo e depois evaporam, e podem emitir partículas e radiação quando explodem. Além disso, Hawking conseguiu encontrar uma relação entre a Teoria da Relatividade, de Albert Einstein, e a mecânica quântica, duas teorias que sempre foram incompatíveis para os cientistas. O físico Abdalla explica que isso permitiu compreender de uma maneira melhor como seria a quantização da gravitação.

Na opinião do professor da USP, outra grande contribuição de Hawking foi na disseminação do conhecimento científico. Para Abdalla, é dever dos cientistas explicar para a sociedade o que está sendo feito e qual a importância disso. Stephen Hawking foi um grande divulgador da ciência nas últimas décadas, não só explicando a física mas a sua relação com o dia a dia do cidadão comum.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados