Softwares educacionais mantêm-se engessados

Colunista propõe repensar tecnologia a partir de análise de como ela é utilizada e por quê

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Na coluna desta semana, o professor Luli Radfahrer trata dos softwares educacionais, avaliando sua eficácia a partir de como essa tecnologia é utilizada e por quê.

Para o professor, apesar de existirem há décadas, esses softwares mantêm-se engessados e seu maior problema é ser feito para o “avaliador poder avaliar melhor e não para o aluno aprender melhor”. O professor aponta, ainda, o que, para ele, seria uma criação revolucionária nesse sentido: uma tecnologia que insira a educação no entretenimento, e não o contrário.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados