Repelente não é 100% eficaz contra o mosquito “Aedes aegypti”

A informação é do professor de Imunologia e Alergia da Faculdade de Medicina da USP, Esper Kallas

A principal orientação do Ministério da Saúde para evitar o contágio pelo zika vírus, transmitido pelo Aedes aegypti, é o uso tópico do repelente industrial. O produto não é 100% eficaz.

A repórter Miriam Ramos conversou com o professor de Imunologia e Alergia da Faculdade de Medicina da USP, Esper Kallas, e ele é taxativo. Afirma que o repelente  industrial é o meio de combate mais adequado ao mosquito, mas não faz  “milagres”.

De acordo com o pesquisador, produtos anti-insetos, como os repelentes de tomada também auxiliam, mas têm a mesma eficácia de ações caseiras de efeito passageiro, como velas ou essências de citronela.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 2
  •  
  •  
  •  
  •