Brasileiro se alimenta um pouco melhor que o britânico, mas também come mal

O brasileiro apresenta um consumo menor de gorduras, alimentos fritos e carnes processadas do que o britânico

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Ouça a entrevista da repórter Simone Lemos com a nutricionista Bartira Mendes Gorgulho, da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo:

logo_radiousp790px

Foto: Marcos Santos/USP Imagens, Wikimedia Commons
Foto: Marcos Santos/USP Imagens, Wikimedia Commons

Quem se alimenta melhor: o brasileiro ou o britânico? Uma tese de doutorado defendida na Faculdade de Saúde Pública da USP procurou responder a essa questão. A nutricionista Bartira Mendes Gorgulho quis saber das diferenças e similaridades existentes entre o que se come no Brasil e no Reino Unido. Ela partiu do princípio de que, em países desenvolvidos, como Reino Unido e Estados Unidos, há uma alta incidência de prevalência de sobrepeso (algo em torno de 70%)  na população. No Brasil, embora já alta, essa taxa não é tão elevada, chegando a cerca de 50%.

A nutricionista constatou que, a exemplo do que ocorre em países industrializados, é grande no Reino Unido o consumo elevado de refeições prontas, o que já é verificável, ainda que em menor escala, também no Brasil. De acordo com Bartira, uma vantagem que o brasileiro apresenta na escolha de seu cardápio é a de não ter abandonado totalmente o saudável  hábito de cozinhar as suas refeições, embora o consumo de frutas, verduras e legumes esteja longe do ideal até mesmo para os padrões britânicos.

Sempre  enfatizando que o consumo de sódio, açúcar e gordura é prejudicial para a saúde pelo risco que representa em relação à ocorrência de doenças cardiovasculares, diabete e hipertensão, Bartira defende mudanças nos hábitos alimentares dos brasileiros, razão maior de seu estudo e ponto de partida para um estudo mais aprofundado, que pretende, por exemplo, conhecer a relação existente entre renda, escolaridade e a escolha de determinado tipo de alimento.

Para realizar sua tese, Bartira utilizou dados da Pesquisa de Orçamento Familiar, divulgada pelo IBGE, assim como estudos similares realizados no Reino Unido.

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados