Quando a dependência tecnológica pode se tornar doença

Mundo digital pode ser considerado forma de válvula de escape

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP

A dependência tecnológica, que inclui o “uso abusivo” da internet, redes sociais, celulares e jogos, não é dimensionada no Brasil, mas, para alguns especialistas, o assunto já é um problema a ser enfrentado.

Segundo relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, o Brasil tem 120 milhões de usuários de internet, o quarto maior volume do mundo, atrás de Estados Unidos, Índia e China.

Em 2016, o Brasil foi considerado o segundo país que mais usa o WhatsApp no mundo, em um levantamento do Mobile Ecosystem Forum. O primeiro lugar ficou com a África do Sul.

Embora não haja indicadores de quantos usuários são considerados dependentes, estudos dão pistas sobre os riscos de se tornar viciado.

Para o professor Rafael Sanches, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, o uso excessivo da internet pode ser uma válvula de escape.

Ele chama a atenção para o fato de a tecnologia estar muito presente no cotidiano e, por isso, nem tudo pode ser considerado vício. “A tecnologia faz parte da nossa rotina, não dá para dizer que, só pelo fato da pessoa ficar horas na internet, ela está doente e precisa de tratamento; em outros casos, quando a pessoa deixa de ter vida social para ficar no celular, ela deve procurar um médico e ele irá avaliar se precisa realmente de tratamento.”

Ouça a entrevista no link acima.

Por Júlia Gracioli

Textos relacionados