Protecionismo de Trump ameaça estabilidade do comércio mundial

O embaixador Rubens Barbosa não descarta a possibilidade de uma guerra comercial entre os países envolvidos

A coluna “Diplomacia e Interesse Nacional” desta semana repercute a decisão do governo de Donald Trump de adotar medidas de caráter protecionista para produtos como aço e alumínio, cuja importação representaria uma ameaça à segurança nacional dos EUA. Tais medidas, previstas para entrar em vigor no próximo mês, causarão um grande impacto em vários países, incluindo o Brasil, segundo maior exportador de alguns tipos de aço para os EUA. Na verdade, a reação não se fez esperar e já se prevê uma retaliação dos países diretamente afetados pela decisão do governo norte-americano – uma ação coletiva na OMC (Organização Mundial do Comércio) não está descartada.

“Isso vai causar um grande problema na economia mundial e também para a  indústria e para os consumidores americanos”, afirma o embaixador Rubens Barbosa em sua análise do episódio. De acordo com ele, uma ameaça de guerra comercial está muito presente, assim como uma escalada protecionista, o que afetaria o sistema mundial de comércio. Trump, no entanto, parece não estar muito preocupado com essas possibilidades. O embaixador observa, contudo, que não é do interesse de ninguém uma guerra comercial.

Textos relacionados