Professor comenta crimes de ódio que abalaram o País

Para Sergio Kodato, da USP em Ribeirão, a escalada da violência é resultado direto da descrença da sociedade em suas instituições

Por - Editorias: Atualidades
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Acompanhe a entrevista do jornalista Ferraz Jr. com o professor Sergio Kodato, da USP de Ribeirão Preto:

logo_radiousp790px
.

Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil
Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

O ano novo começou de forma violenta em Campinas, durante o reveillon. Em uma notícia que chocou todo o País, um homem  matou a ex-esposa, o próprio filho, outros familiares e depois se suicidou. Num caso  evitado pela polícia, na cidade de Jaboticabal, um indivíduo disse  que pretendia fazer o mesmo, mas acabou preso.

Na semana passada, uma mulher de 32 anos foi presa e confessou ter matado o próprio filho de 19 anos a facadas e depois carbonizado e enterrado o corpo num canavial na cidade de Cravinhos, há 20 quilômetros de Ribeirão Preto.

Casos como esses são cada vez mais comuns, cada vez mais frequentes no noticiário, e se espalham pela internet.

Para o professor Sergio Kodato, coordenador do Observatório da Violência da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP a escalada da violência é resultado direto da descrença da sociedade em suas instituições.

 

 

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados