Pressão social foi imprescindível para adoção de cotas na USP

Colunista analisa medida e aponta próximos desafios a serem enfrentados na questão da inserção social e racial

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Na coluna “Diversidades” desta semana, o professor Ricardo Alexino Ferreira trata da adoção do sistema de cotas sociais e raciais na USP, aprovada, no último dia 4, pelo Conselho Universitário (CO) da Universidade. “Os movimentos sociais, negros e indígenas foram imprescindíveis nesse processo”, afirma.

Além de trazer uma análise sobre o significado da reserva de vagas para alunos vindos de escolas públicas e autodeclarados pretos, pardos e indígenas (PPIs), Ferreira aponta o que, para ele, ainda é necessário ser feito para “comemorar, de fato e plenamente, a implementação tardia do sistema de cotas na USP”.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados