Pré-eclâmpsia é responsável por ¼ das mortes na América Latina

Dia Mundial da Pré-Eclâmpsia, em 22 de maio, tem a finalidade de conscientizar para o problema

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Pré-eclâmpsia, uma complicação da gravidez cujo diagnóstico nem sempre é fácil – Foto: Divulgação / Domínio público via Wikimedia Commons

Cerca de 76 mil mães e 500 mil bebês perdem a vida em todo o mundo por ano devido à pré-eclâmpsia, doença grave relacionada ao aumento da pressão arterial, a qual pode se instalar de forma rápida em qualquer gestante durante a segunda metade da gestação ou até seis meses após o parto.

A pré-eclâmpsia é responsável por até um quarto das mortes maternas na América Latina e um décimo das mortes maternas na Ásia e na África. Para chamar a atenção para o problema, comemorou-se em 22 de maio o Dia Mundial da Pré-Eclâmpsia. A ideia é aumentar a conscientização sobre a doença.

O médico Ricardo Cavalli, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, explicou que os sintomas da doença são: dor de cabeça forte que não desaparece com medicação, inchaço no rosto e nas mãos, ganho de um quilo de peso ou mais por semana, dificuldade para respirar, náuseas ou vômitos após os três primeiros meses da gravidez, alterações da visão, dor na região esquerda do abdome, perto do estômago.

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados