Pesquisadores amadores fazem ciência ao lado de profissionais

Pessoas comuns observam a natureza e os dados disponíveis e podem contribuir para novas descobertas

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

.
A prática da pesquisa amadora remonta à época de Galileu, com pessoas que fabricavam as próprias lunetas. No Brasil, a área não é nova, mas está em ascensão. O País já conta com mais de 200 grupos de pesquisadores amadores movidos por iniciativa individual.

O professor doutor Augusto Damineli, do Departamento de Astronomia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP, explicou algumas questões sobre o ramo. Ele comenta que já trabalhou com a ajuda de dados e observações de qualidade de pesquisadores amadores pelo mundo. Além dessas explicações, o professor destaca que os amadores descobrem muitas coisas através da observação de dados os quais profissionais não têm tempo disponível para analisar.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados