Para colunista, paradoxos cercam a nova denúncia contra Temer

André Singer teoriza sobre as consequências do envio da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer para a Câmara

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

.
Na última quarta-feira ( 20),  a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal julgou procedente o envio da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer para a Câmara. Em setembro, a Procuradoria-Geral da República acusou o presidente de obstrução de Justiça e participação em organização criminosa. 

Para o professor André Singer, “a decisão do Supremo era previsível”. Como lembra o cientista político, a principal responsabilidade do STF seria julgar a denúncia apenas no caso de a Câmara autorizar a continuidade do processo.

Entretanto, na opinião do analista, existem dois paradoxos a serem analisados. O primeiro é o fato de que a denúncia da PRG desenvolve a ideia de que se formou uma organização criminosa, envolvendo o presidente, em meados de 2006. E, como a Constituição diz que o presidente não pode ser processado por ações anteriores ao exercício do mandato, “isso poderia ajudar a blindar um processo com acusações dessa gravidade”, afirma. De acordo com Singer, o segundo paradoxo é que a denúncia será possivelmente barrada na Câmara, já que, ao que tudo indica, a maioria parlamentar prefere proteger Temer, apesar das acusações.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados