Origem de clarão na Bahia ainda é desconhecida

Especialista conta que o mais provável é que tenha sido um bólido, meteorito maior que o normal

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Na última terça-feira (20),  moradores de Salvador e de algumas outras cidades da Bahia relataram ter visto um clarão no céu. Diversas câmeras de segurança e celulares flagraram o fenômeno. O professor Roberto Costa, do Departamento de Astronomia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, explica que ainda não se sabe a origem do ocorrido. A hipótese mais aceita é que seja um bólido, meteorito um pouco maior que o normal e que teria caído no oceano.

De acordo com o especialista, a queda desses corpos celestes é algo normal. Todas as noites diversos elementos atingem a Terra, com cerca de um centímetro de diâmetro e velocidade de 50 mil km/h, como as chamadas estrelas cadentes, que formam um traço no céu por causa do atrito com o ar. Assim, quanto maior o objeto, mais intenso é o atrito e o clarão.

Na mesma noite, no distrito de Monte Gordo, que pertence ao município de Camaçari, na Bahia, foi achado um objeto que, de acordo com os moradores, teria caído do céu. Uma análise de pesquisadores do Museu Geológico da Bahia mostrou que a estrutura é manufaturada e, portanto, não advinda do meteorito. O professor conta que a peça provavelmente veio de lixo espacial.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados