O papel do dentista na identificação e tratamento da bulimia

Os dentistas cumprem um importante papel no tratamento da bulimia, transtorno alimentar que exige abordagem multidisciplinar

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Acompanhe a entrevista da repórter Simone Lemos com a professora da Faculdade de Odontologia da USP Ana Cecília Corrêa Aranha.

logo_radiousp790px

Foto: Visualhunt
Foto: Visualhunt

A bulimia nervosa é um transtorno alimentar que leva as pessoas a exagerarem na ingestão de alimentos para, logo em seguida, provocarem vômitos, abusarem do uso de laxantes ou praticarem exercícios físicos em excesso – tudo isso como forma de evitar o ganho de peso pelo medo patológico de engordar. Trata-se de um distúrbio que exige uma abordagem multidisciplinar, envolvendo a colaboração de psiquiatras, psicólogos, nutricionistas, gastroenterologistas, entre outros. Apesar de, pelo menos aparentemente, não terem qualquer ligação com transtornos como a bulimia ou a anorexia, os dentistas também têm um importante papel a cumprir nesse contexto.

“Muitas vezes, cabe ao cirurgião dentista detectar esse tipo de comportamento ainda em sua fase inicial”, diz a doutora Ana Cecília Corrêa Aranha, professora associada do Departamento de Dentística da Faculdade de Odontologia (FO) da USP. Ela explica que esse tipo de transtorno afeta a saúde bucal do paciente, que passa a apresentar em sua cavidade bucal características como erosão dental e desgaste do esmalte (provocados pela frequência de vômitos), boca seca, cárie, doenças periodontais e traumas na mucosa. Não é incomum ainda que o distúrbio seja relatado ao dentista pelo próprio paciente ao falar, por exemplo, sobre padrões de dieta aos quais está habituado.

Detectado o problema, complementa a Ana Cecília, cabe ao dentista sugerir  ao paciente que procure tratamento especializado, mas não é raro o próprio profissional  fazer esse encaminhamento. Ela revela ainda que a reabilitação da saúde bucal é plenamente possível, desde que sejam controlados os fatores responsáveis pelos danos causados.

.

.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados