Falta de ética gera custos econômicos diretos e indiretos

Luciano Nakabashi entende que as ações humanas podem interferir no bem-estar social e no próprio desenvolvimento econômico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

logo_radiousp790px

Foto: Renato Gizzi/Visualhunt
Foto: Renato Gizzi/Visualhunt

Partindo de exemplos do dia a dia,  o professor Luciano Nakabashi comenta como as interações humanas interferem na economia e nas relações sociais, gerando custos indiretos, muitas vezes não calculados, que acabam por afetar o desenvolvimento econômico e o bem-estar social.

Um desses exemplos são os assaltos a caixas eletrônicos de bancos, que levam à alteração de como eles funcionam, prejudicando a população, que precisa fazer uso de serviços como saques bancários fora do horário comercial, além do medo causado pelas ações violentas dos assaltantes.

Nakabashi também comenta a respeito do ato  de “colar” em provas escolares, que leva ao aumento de custos no processo de desenvolvimento e aplicação das provas.

 

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados