Novos prefeitos falam de austeridade frente ao rombo financeiro dos municípios

Em meio ao cenário de desvio de verba pública e má gestão, os novos prefeitos prometem corte de gastos

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Acompanhe a entrevista do jornalista Ferraz Jr. com o professor de Administração Edgard Monforte Merlo (Fearp-USP):

logo_radiousp790px
.

Foto: Renato Araujo/Agência Brasil
Prefeito Duarte Nogueira, de Ribeirão preto, herdou um rombo inédito nas contas do município – Foto: Renato Araujo/Agência Brasil

O discurso da maioria dos prefeitos que assumiram seus cargos no último domingo, primeiro dia do ano, em todo o Brasil, foi monotemático, e o assunto foi austeridade. Entre as medidas tomadas pelos prefeitos estão o corte do número de secretarias municipais pela metade, corte em cargos comissionados e revisão em contratos já firmados na gestão anterior.

Em Ribeirão Preto, o prefeito Duarte Nogueira, do PSDB, herdou um rombo inédito nas contas do município de cerca de R$ 2 bilhões. Como resposta, o prefeito baixou 25 decretos, visando a otimizar os gastos. Na contramão, os cidadãos da cidade, pagadores de impostos, viram o número de vereadores crescer de 22 para 27, elevando o gasto do legislativo.

Para o professor de administração Edgard Monforte Merlo, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP de Ribeirão Preto, há três razões para esse descontrole geral nos gastos públicos. Queda na arrecadação devido à crise que desacelera a economia, a corrupção e o pacto federativo que faz com que a União fique com mais de 70% de toda a arrecadação, deixando o município com menos de 10%.

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados