Novo Carnaval: as transições das formas de comemoração da festa paulistana

O Professor Alberto Ikeda, especialista em MPB, comenta as transformações nas formas de se pular Carnaval na capital paulista

Apesar da crescente procura pelo Carnaval de rua paulistano nos últimos anos, os sambódromos permanecem cheios e atraindo foliões para os desfiles de proporções gigantescas. O que mudou, então, nas formas de celebração dessa festa brasileira por excelência?

Professor especialista em música popular da Escola de Comunicações e Artes da USP, Alberto Ikeda, aponta que o Carnaval paulistano passa por transformações há uma década através do interesse pela ocupação do espaço público. Segundo Ikeda, essa transição pode ser constatada ao notar que, no Rio de Janeiro e São Paulo, na década de 1970, os Carnavais eram comemorados em salões, cinemas desativados e clubes, em contraste com a comemoração em Recife e Salvador, por exemplo, onde esse caráter de ocupação das ruas sempre foi mantido.

O especialista ainda aborda o intercâmbio de blocos entre as cidades, sua visibilidade midiática e a pluralidade de estilos musicais encontrados nas comemorações hoje em dia.

Ouça a entrevista na íntegra no link acima.

.

Especial Carnaval 2018

veja todas as matérias
.


 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.