Novas, supernovas e a descoberta da energia escura

O astrofísico da USP João Steiner conta como se formam novas, supernovas e o que as últimas têm a ver com a energia escura

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Supernova remanescente N 63A na Grande Nuvem de Magalhães, galáxia satélite da Via Láctea – Foto: Nasa, ESA, HEIC e Hubble (STScI/Aura)

Em “Entender Estrelas” desta semana, o professor João Steiner esclarece o que são as estrelas novas, originadas em outros objetos estelares chamados de anãs brancas. A transformação envolve processos que  liberam uma imensa quantidade de energia, expulsando gases da superfície da anã branca e produzindo uma explosão de luz extremamente brilhante. Uma anã branca pode gerar múltiplas novas ao longo do tempo.

Já as famosas supernovas constituem um evento astronômico que resulta numa explosão ainda mais luminosa – o brilho pode equivaler a um bilhão de vezes a luminosidade original, e a estrela ficar tão brilhante quanto uma galáxia. Mas, diferentemente da nova, o evento da supernova decreta a morte da estrela original. Conheça mais sobre os fenômenos clicando acima para ouvir o áudio da coluna.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •