Novas diretrizes da política externa devem tirar Brasil do isolamento

Rubens Barbosa elogia o fim da influência político-partidária de ideologização da política externa, uma característica do governo anterior

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O embaixador Rubens Barbosa, em sua coluna semanal para a Rádio USP, trata das novas diretrizes para a política externa e para a política de comércio exterior, divulgadas pelo novo ministro das Relações Exteriores, José Serra.

Das dez diretrizes emitidas, seis dizem respeito ao Comércio Exterior e quatro referem-se à política externa, mas a ênfase no Comércio Exterior é compreensível, explica Barbosa, porque tanto a Apex quanto a Camex passaram para o Itamaraty.

O colunista considera que a principal diretriz divulgada pelo novo ministro foi o fim da influência político-partidária de ideologização da política externa, o que fez com que o Brasil se isolasse dos mercados sul-americanos, quando a tendência era a ampliação dos acordos comerciais com seus vizinhos do cone sul, em vez de uma aproximação com os governos bolivarianos da Venezuela e da Bolívia, estratégia que acabou por ser prejudicial aos interesses da nação.

Em relação ao comércio exterior, Barbosa vê um pragmatismo saudável na abertura de mercados dentro da América do Sul e nos Estados Unidos e na Europa, com a qual o País já iniciou uma negociação de acordo comercial.

 

logo_radiousp
.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados