Muros que nos isolam e nos separam do convívio humano

Em sua coluna “Saúde e Meio Ambiente”, o professor Paulo Saldiva trata dos muros que interferem na estética da cidade

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Pegando “carona” na discussão acerca da derrubada do muro que separa a Raia Olímpica da USP da Marginal Pinheiros, o professor Paulo Saldiva trata da questão dos muros urbanos em São Paulo. Muros que, segundo ele, impedem nossa visão e nos obrigam a ver cimento onde deveria haver espaço, e divisões onde deveria haver pessoas. “Os muros não só interferem com a estética e, consequentemente, com o nosso bem-estar e a nossa percepção, mas impedem que a gente usufrua o bem-estar de encontrar com as pessoas”, afirma Saldiva, para quem os muros representam obstáculos, o medo, as soluções individuais que temos para resolver os problemas de violência e privacidade.

Saldiva não vê saída: “A cidade vai ter de conviver com seus muros, mas não da forma como estão”.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados