Medicina pode contribuir com o estudo da violência sexual

Descontrole no impulso sexual pode estar relacionado a casos de violência e assédio

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

A partir do momento em que surge a denúncia de uma agressão sexual, a medicina irá investigar o quanto aquela violência está associada a algum tipo de prejuízo na saúde mental.

É o que  explica o professor Marco Scanavino, coordenador do Ambulatório de Impulso Sexual Excessivo e de Prevenção aos Desfechos Negativos Associados ao Comportamento Sexual (Aisep) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

Os desafios da medicina contra a violência sexual – Foto: OAB/SE

Scanavino lembra que não existe um padrão único sobre como surge um estuprador, e nesse quesito a psiquiatria busca diagnosticar os transtornos mentais que possam estar ligados a casos de violência sexual.

A contribuição da medicina é importante nessa área, pois os indivíduos com descontrole no impulso sexual adotam comportamentos em prejuízo de outras pessoas — que são submetidas a atos libidinosos sem consentimento, como o estupro e o assédio sexual.

Mas não é tão simples assim. Para justificar uma violência sexual por meio de algum desvio na mente, é necessária uma avaliação psiquiátrica profunda do histórico pessoal do acusado. “Ela envolve elementos da história biológica da pessoa, se ela teve um bom desenvolvimento físico e mental, se ela estudou”, e assim por diante, explica Scanavino. 

O professor aponta que acidentes também podem interferir no discernimento entre certo e errado, provocando alterações de comportamento e de personalidade. O trauma cranioencefálico, por exemplo, pode fazer com que uma pessoa aja com maior desinibição sexual.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados