Grossmann olha o Centro Cultural São Paulo como “crítica” ao Modernismo

Espaço possui características que, ao fortalecer o indivíduo, apontam para a pós-modernidade, afirma o professor

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Foto: Wikimedia Commons
Foto: Wikimedia Commons

Ouça a seguir a íntegra da coluna do dia 16 de novembro.

 

Em sua coluna “Na Cultura o Centro Está em Toda Parte”, que foi ao ar no dia 16 de novembro, o professor Martin Grossmann fez uma análise do Centro Cultural São Paulo, classificando-o como uma “crítica” ao Modernismo. Essa “crítica” não significa uma rejeição ao Modernismo, mas uma emancipação e uma transformação de valores, explicou o professor.

Ele destacou que o Centro Cultural São Paulo, concebido para servir como um centro de cultura – diferentemente do Sesc Pompeia, analisado no programa anterior, que precisou ser adaptado para essa finalidade -, possui amplos espaços, que permitem maior liberdade e autonomia ao indivíduo, uma característica ausente no Modernismo. Esse “empoderamento” do indivíduo já aponta para um outro sentimento, uma outra perspectiva, mais próxima da pós-modernidade.

A coluna “Na Cultura o Centro Está em Toda Parte”, do professor Martin Grossmann, vai ao ar sempre às quartas-feiras, às 10h30, pela Rádio USP (93,7 MHz).

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados