Fitas terapêuticas não mostram eficácia no quesito desempenho

A constatação é de uma pesquisa cujas conclusões são abordadas pelo professor Paulo Santiago em sua coluna

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Nesta semana, o professor Paulo Roberto Santiago fala sobre a real eficácia das fitas cinesiológicas, ou como são mais conhecidas, as fitas terapêuticas, usadas para melhorar o desempenho esportivo. O professor analisa trabalho publicado na Physical Therapy in Sport, o qual aponta a falta de evidências científicas a favor da utilização desse tipo de técnica para a melhora do desempenho.

Santiago explica que, no trabalho, os pesquisadores relatam que testes foram feitos com a fita e “analisada a potência de agachamento, habilidades com bolas, ciclismo, equilíbrios dinâmicos, saltos verticais e horizontais, a análise de agilidade, testes de velocidade e corridas de longas distâncias”. Assim como em estudos anteriores, o resultado mostrou que não há eficácia da fita para a melhoria do desempenho de atletas.  

O professor alerta que, apesar de ser um estudo polêmico, é importante ressaltar que, durante as análises, não foram levados em conta outros fatores como, por exemplo, o conforto psicológico dos atletas.

Santiago ressalta que essa publicação pode incentivar novos estudos para um melhor entendimento, não só para a questão do desempenho físico, como também do fator psicológico durante o uso das fitas cinesiológicas. Ouça no link acima a íntegra da coluna do professor Paulo Roberto Pereira Santiago.

Por: Thainan Honorato

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados