Fatores sociais tornam pessoas mais vulneráveis a doenças mentais

Estudo mostra que população pobre, homens jovens e minorias étnicas são mais suscetíveis a esses transtornos

Pesquisa realizada em cinco países da Europa e no Brasil constatou que o fator social é relevante para o chamado primeiro episódio psicótico, indício prévio de transtornos mentais. Por muito tempo, acreditou-se que a genética era um fator preponderante nesse casos. Porém, a partir de novos estudos, quebrou-se esse paradigma. Paulo Rossi Menezes, professor e chefe do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina e Coordenador do Núcleo de Pesquisa em Saúde Mental Populacional da USP, realizou o estudo com a professora Cristina Marta Del Ben, do Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP.

Ele conta que a pesquisa não é inédita, porém, chama atenção pelo seu tamanho. Desde um relatório da OMS, nos anos 1990, que o assunto não era abordado utilizando uma metodologia tão ampla. Menezes explica que homens jovens, entre 18 e 25 anos, populações mais pobres e minorias étnicas são os grupos mais vulneráveis. Em países como Holanda e Reino Unido, também foi detectada uma relação maior entre o primeiro episódio psicótico e os centros urbanos. O professor relata, ainda, que entre esses transtornos mentais estão a esquizofrenia, a bipolaridade e a depressão com sintomas psicóticos. Para ele, a importância da pesquisa reside em elaborar nova políticas públicas de prevenção a esses casos.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Textos relacionados