Falta ética na relação entre Judiciário e escritórios de advocacia

Análise é do professor Nuno Manuel Morgadinho dos Santos Coelho, da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail

Em meio aos escândalos de corrupção, dois assuntos vieram à tona recentemente, os quais levantam a discussão sobre a ética nas relações entre o Poder Judiciário e os escritórios de advocacia.

O Ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, foi questionado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sobre o seu suposto impedimento para mandar soltar o empresário Eike Baptista, uma vez que a esposa do ministro trabalha no escritório de advocacia que defende o empresário.

Por outro lado, o questionamento de Janot também foi posto em dúvida, uma vez que a filha do procurador, Letícia Ladeira Monteiro de Barros, é advogada da OAS, empreiteira investigada na Operação Lava Jato.

O professor Nuno Manuel Morgadinho dos Santos Coelho, da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP, analisou a questão. Para ele, esse tipo de relação fere a lei, compromete o estado democrático de direito e causa insegurança jurídica.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail

Textos relacionados