Fake Science :“nem tudo que reluz é ouro”

Reputação de grandes revistas colaboram com propagação das Fake Sciences, matérias científicas falsas, diz especialista

  • 8
  •  
  •  
  •  
  •  

Nesta semana, o professor Paulo Roberto Santiago traz um tema polêmico: trabalhos ruins publicados em revistas científicas de prestígio. “Publicações desse tipo são graves, pois fazem com que o público acredite em coisas que não estão corretas do ponto de vista científico. Entretanto, por terem sidos publicados em periódicos de renome, passam a ser considerados verdadeiros”.   

O professor ressalta que, mesmo não passando nos testes práticos, os métodos que receberam o aval de uma boa publicação são mantidos pelo status da revista de destaque. Mas, alerta que, como ocorre com as fake news, na ciência, as fake sciences vêm crescendo. Por isso, ao ler um relato científico, não se deve levar em consideração “apenas o local em que o estudo foi publicado”. Ouça, no link acima, a íntegra da coluna do professor Paulo Santiago.

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 8
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados