Especialistas discutem possibilidade de privatização da Petrobras

Professor ligado ao setor de energia defende manutenção de áreas estratégicas e economista apoia regulação do mercado

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

No início do mês, o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, afirmou que a privatização da Petrobras deve acontecer. No entanto, ainda não se trata de uma prioridade.

Para Edmilson Moutinho, professor da Divisão Científica de Planejamento, Análise e Desenvolvimento Energético do Instituto de Energia e Ambiente, as discussões sobre a estatal se concentram sobre desmandos administrativos e não sobre o petróleo ou a questão energética.

A privatização da Petrobras deve acontecer. No entanto, ainda não se trata de uma prioridade – Foto: Marcello Casal Jr/ABr / via Wikimedia Commons / CC BY 3.0 br

O professor destaca que a Petrobras é uma empresa de diversos segmentos e acredita que a privatização de alguns destes seria benéfica, tanto para a petroleira quanto para a sociedade. Um exemplo de setor passível de privatização é o  de distribuição de combustível. Por outro lado, ele considera que certos setores, como a exploração do pré-sal, devem ser mantidos sob o comando do governo.

Com outra perspectiva, o doutor em finanças pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, Alan Ghani, considera benéfica a privatização de todos os setores da petrolífera.

Ele explica que discorda da classificação de alguns setores como estratégicos. Nesse sentido, dá o exemplo da mineradora Vale, que, depois de desestatizada, gerou mais empregos e arrecadação via impostos para o governo do que os seus antigos dividendos, quando era pública.

Alan Ghani defende um modelo de privatização com uma agência reguladora. Para ele, a privatização permitiria ao setor seguir sob a lógica do mercado mais produtiva e a regulação atuaria para evitar as falhas dessa lógica, como a tendência ao monopólio.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados