Especialistas alertam para perigos do verão

As doutoras Amanda Nazareth Lara e Tatiana Vilas Boas Gabbi discutem as ameaças do verão

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Embora o verão seja tradicionalmente visto como época de férias, praia e sol, e passe uma ideia de alegria, tem-se que tomar muito cuidado com as ameaças que ele traz consigo, que vão desde um maior número de insetos em circulação até o risco de câncer de pele, por excesso de exposição ao sol. Nesta semana, o Diálogos na USP traz para discussão os riscos comumente  associados ao verão.

A médica  Tatiana Vilas Boas, dermatologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, conta que “as doenças mais prevalentes dessa época do ano são: a fitofotodermatose, aquela queimadura que ocorre com limão, geralmente; insolação; dengue; intoxicação alimentar; bicho geográfico; micoses; queimadura solar; brotoejas; e desidratação.” E ressalta que é necessária a atenção para prevenir algumas dessas doenças.

A médica Amanda Nazareth, infectologista do Ambulatório de Viajantes do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, revela  que “a diarreia do viajante acomete cerca de metade de todo mundo que viaja por ano.” Apesar disso, a diarreia nem sempre é infecciosa. Ela ressalta que pode ser reflexo da falta de costume a certos temperos e óleos de alimentos comuns da região visitada.
.

Amanda Nazareth e Tatiana Vilas Boas, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Amanda lembra, também, que se deve ter bastante cuidado com os alimentos ingeridos. “Nos cruzeiros, é bastante comum surtos de gastroenterite por alimentos manipulados por alguém doente.” Ela recomenda que, no caso de ingestão de alimentos crus, como saladas, a esterilização seja feita com hipoclorito de sódio, para que seja eliminado o risco de infecção. Como em uma viagem nem sempre isso é possível, ela aconselha se evitar  esses alimentos.

Tatiana comenta sobre as “camisetas com proteção UV”. Ela diz que “essas camisetas funcionam muito bem, então elas são até melhor indicadas quando já se tem uma queimadura solar inicial. É mais comum usar a camiseta do que passar o filtro solar nessas regiões.”

Para ouvir mais, clique no link acima e ouça o Diálogos na USP na íntegra. O programa tem apresentação de Marcello Rollemberg, produção de Simone Lemos e trabalhos técnicos de Marcio Ortiz.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados