Eleição será fragmentada se candidatura de Lula não for aceita

Doutor em Ciência Política pela USP revela que agora nenhum candidato se beneficia com saída de ex-presidente

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em segunda instância e por unanimidade, indica que o Supremo Tribunal Eleitoral deve negar o registro de candidatura do petista para concorrer às eleições deste ano, com base na Lei da Ficha Limpa. Com base nesse novo cenário político, o Datafolha divulgou nesta semana nova pesquisa de intenção de voto em que o deputado Jair Bolsonaro (PSC) ganharia o primeiro turno das eleições e disputaria a vaga com outros quatro candidatos: Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Luciano Huck (sem partido).

O doutor em Ciência Política pela USP, Rafael Cortez, revela que,  com a presença de Lula nas eleições,  havia a busca por um candidato de centro, para polarizar o cenário entre o ex-presidente e o deputado Jair Bolsonaro. Sem a sua presença, entretanto, a esquerda possui o desafio de encontrar um candidato que consiga mobilizar uma união entre os partidos. É como se o jogo eleitoral tivesse começado do zero.

Cortez defende ser pouco provável que a centro-direita tenha algum benefício com a saída do ex-presidente. Para ele, após o desgaste do ex-candidato Aécio Neves, o PSDB perdeu o status de organização do antipetismo. O professor explica que a participação de vários partidos menores pode tornar a competição tão fragmentada como a de 1989,   e que há a possibilidade do segundo turno ser composto por dois nomes com baixas taxas de apoio da população.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados