É preciso saber quem eram os delatores dentro da USP na ditadura

Comissão da Verdade da USP: Para Renato Janine, o mais grave é o SNI ter recusado denúncias por serem falsas

  • 30
  •  
  •  
  •  
  •  

Em sua coluna desta semana, o professor Renato Janine Ribeiro comenta sobre os relatórios da Comissão da Verdade da USP, entregues ao reitor Vahan Agopyan na semana passada. Os relatórios mostram a colaboração de professores da USP na perseguição de docentes, funcionários e alunos da instituição durante o regime militar.

Os relatórios compõem uma série de dez volumes que trazem depoimentos muito fortes. “Um deles é do pesquisador Isaías Raw, (da Faculdade de Medicina FMUSP), que mostra como a perseguição foi mesquinha”, diz Renato Janine. O colunista cita ainda um outro caso de abuso envolvendo o professor Oscar Sala (1922-2010), do Instituto de Física da USP, e, na época, diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que foi acusado injustamente de que “teria 400 assessores científicos secretos para dinamizar o trabalho de infiltração marxista no Brasil.”

O mais grave, segundo Janine, é o fato de o Serviço Nacional de Informações (SNI) ter recusado muitas denúncias envolvendo pessoas da USP ao constatar que eram acusações falsas.  “Professores e servidores se prestaram ao papel patético, criminoso, de denunciar colegas”, lamenta o docente. Para Janine, é importante saber quem foram as pessoas que participaram desse sistema de delação, perseguições e sabotagem à autonomia universitária. “É preciso que esse assunto seja discutido e que mais essa página triste da história da Universidade seja posta a limpo”, finaliza.

Ouça acima o áudio na íntegra.

  • 30
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados