Drama da Cracolândia ainda espera por uma solução

Na opinião do professor Salvador Netto, ações policiais e repressivas não vão resolver um problema tão complexo

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

A ação policial na Cracolândia, empreendida no mesmo dia em que a Prefeitura de São Paulo promovia a tradicional Virada Cultural, resultou num saldo de 53 pessoas presas, das quais 48 tidas como traficantes, e na apreensão de mais de 12 kg de crack e três fuzis. Mais de 900 agentes das polícias Civil e Militar participaram da operação, que incluiu varreduras no principal quadrilátero da Cracolândia e a expulsão de usuários, cujas barracas  foram destruídas por tratores. Na ocasião, o prefeito João Doria afirmou que “a Cracolândia aqui acabou, não vai voltar mais”. De fato, talvez não volte no mesmo espaço físico, mas, quanto a ter acabado, não é o que pensa o professor de Direito Penal da Universidade de São Paulo, Alamiro Velludo Salvador Netto.

“Até porque a Cracolândia  significa muito menos um local geográfico e muito mais a situação de determinadas pessoas. As pessoas que, até então, ficavam restritas à área da Cracolândia, se espalharam pela região central da cidade”, disse ele em entrevista à Rádio USP. Na verdade, esses indivíduos encontram-se em situação de vulnerabilidade, razão pela qual esse grave problema social  deixou de ser exclusividade das áreas policial e jurídica para passar para o âmbito da saúde pública.

Com a ação policial, as pessoas em situação de rua que ficavam restritas à área da Cracolândia se espalharam pela cidade – Foto: Eduardo / Secom via Fotos Públicas

“A Cracolândia é o resultado, ela não é a causa, ela se mostra como um resultado da situação da sociedade brasileira, de pessoas que não encontraram oportunidades e que, portanto, ficam ali, completamente à margem de qualquer amparo que o Estado brasileiro e a sociedade como um todo podem ofertar”, afirma Salvador Netto. Na Cracolândia, segundo ele, fica difícil separar as figuras do usuário e do traficante, pois elas se confundem. A mesma pessoa que usa droga faz um pequeno tráfico para obter um mínimo de recursos, a fim de adquirir um novo suprimento de crack  para, dessa forma, continuar a  manter o  seu consumo.

Salvador Netto defende que o Estado, em vez de comparecer à região com um pelotão armado, deveria ofertar assistentes sociais, médicos e clínicas de reabilitação para esses dependentes, que hoje encontram-se espalhados, como autênticos zumbis, pelo centro de São Paulo. Dessa forma, pelo menos, eles poderiam ganhar uma oportunidade de abandonar o vício. “Esse enfrentamento da questão das drogas, exclusivamente pela face policial do Estado, tem demonstrado que não resolve. E não é que não resolve no Brasil, não resolve em lugar nenhum do mundo”, admite o professor, que cita como exemplo os EUA. Este país, até bem pouco tempo atrás, era o grande entusiasta da guerra às drogas, mas agora tem revisto o seu posicionamento em relação a essa questão.

Ainda segundo Salvador Netto, o Brasil precisa perceber que o drama das drogas é fundamentalmente uma questão de saúde, e que o problema da Cracolândia só poderá ser solucionado a partir da adoção de uma política muito complexa a longo prazo. “É uma tolice, muitas vezes, o discurso de políticos dizendo que vão acabar com isso ou com aquilo, num intervalo curto de tempo, por meio de uma solução que é absolutamente fantasiosa.”

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados