Doenças respiratórias são mais comuns nesta época do ano

Os exemplos mais comuns são gripes e resfriados, mas quem sofre de rinite alérgica também enfrenta dificuldades

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Esta época do ano, em que predominam o tempo seco e o ar mais frio, favorece o surgimento de doenças respiratórias, como gripes e resfriados,  e o agravamento de quem está predisposto a esse tipo de problema, como os indivíduos que sofrem de rinite alérgica, por exemplo. Isso ocorre porque as pessoas tendem a se confinar em ambientes fechados e a ficarem mais próximas umas das outras, o que favorece o contágio.

Esta época do ano favorece o agravamento de doenças respiratórias – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Segundo a médica alergista Rosana Agondi, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), o frio e o tempo mais seco deixam as vias aéreas superiores mais sensíveis e expostas à entrada de vírus e bactérias causadores de infecções respiratórias. Os exemplos mais notórios são as gripes e os resfriados, mas a bronquite viral também é uma infecção causada por um vírus. As maiores vítimas, por terem vias aéreas menores, são as crianças pequenas – quando acometidas por uma infecção, são mais sintomáticas e precisam de maiores cuidados.

As pessoas se tornam mais predispostas a problemas respiratórios nesta época do ano – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

As pessoas que já sofrem de uma inflamação crônica nas vias aéreas também se tornam mais predispostas a problemas respiratórios  nesta época do ano. É o caso de quem tem rinite alérgica, que é uma doença muito prevalente – cerca de 30% da população mundial tem alguma alergia e a rinite é a mais comum delas.

Elas desenvolvem a produção de um anticorpo que, na tentativa de defender o organismo, acaba causando a doença. Muitas vezes, essas crises alérgicas são causadas por ácaros presentes no meio ambiente. A rinite se manifesta por meio de alguns sintomas típicos: coriza, prurido, coceira no nariz e até obstrução nasal. Rosana alerta para a importância da prevenção, que passa pelo controle ambiental,  e do tratamento, feito à base de medicamentos como corticoides. Também é importante a lavagem nasal com soro fisiológico para impedir o acúmulo de secreção. O agravamento da rinite pode levar a um quadro de sinusite, inflamação que atinge a mucosa dos seios da face, produzindo secreção e o favorecimento da instalação de uma bactéria que, ao se proliferar, provoca uma infecção na região da face.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados