Doação de pai para filho salva crianças com hepatite fulminante

Em 90% das vezes, os pais são os doadores, já que há uma grande escassez destes

A cirrose, doença do fígado geralmente causada nos adultos pelo consumo de bebidas alcoólicas, também pode atingir  crianças, mas, neste caso, é resultado de problemas congênitos e está muito ligada à hepatite fulminante. A maioria das vezes este quadro leva à deterioração das funções do fígado e ao óbito. O transplante é a única solução.

O doutor Uenis Tannuri, professor da USP, chefe do Serviço de Cirurgia Pediátrica e Transplante Hepático do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas e chefe do Laboratório de Cirurgia Pediátrica da FMUSP, revela que a escassez de doadores é muito grande e a quantidade de adultos na fila pode ser seis vezes maior que a quantidade de crianças, portanto elas são prejudicadas.

Diante disso, o Hospital da Clínicas passou a realizar transplantes entre vivos, nos quais, em 90% das vezes,  os pais são os doadores. Segundo o professor, a recuperação geral costuma ser rápida, mas deve haver um controle rigoroso de infecções e rejeição do órgão. O acompanhamento deve ser feito pelo resto da vida, assim como o uso de medicamentos imunossupressores.

O HC fez o primeiro transplante entre vivos do mundo. Hoje, já foram realizados mais de 800 transplantes e a taxa de sobrevida é de 75% a 80%.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.
Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Textos relacionados