Depressão não é efeito colateral do anticoncepcional

Professora da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP afirma que casos de aumento de episódios depressivos são raros

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

A oportunidade de realizar planejamento familiar é um dos principais motivadores para o uso dos métodos contraceptivos que evitam a gravidez. Além disso, contraceptivos como os anticoncepcionais  podem contribuir para o alívio da Tensão Pré-Menstrual (TPM) e, ainda,  controlar a oleosidade da pele. Entre os diversos métodos contraceptivos existem as camisinhas masculinas e femininas, chamados de barreira, e também os hormonais e químicos, como os anticoncepcionais em pílulas e os injetáveis, os implantes como o DIU entre outros.  

Muitas mulheres apresentam dúvidas sobre os efeitos colaterais causados por esses métodos e outras consideram a depressão como um desses efeitos colaterais indesejados.  Mas a médica Mariane Nunes de Nadai, do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP,  diz que algumas mulheres aumentam os episódios depressivos com o uso do anticoncepcional, mas que esses casos são raros e estão ligados à sensibilidade da paciente a um dos hormônios. A especialista ressalta a importância do aconselhamento individual para a escolha do melhor método contraceptivo. 

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados